Opinião de Leitura
As Velas Ardem Até ao Fim As Velas Ardem Até ao Fim

Autor: Márai, Sándor

Leitor: Paulo Neves da Silva

Opinião

Henrik e Konrad, uma amizade cúmplice apesar de carácteres bem distintos, de pendor mais extrovertido e mundano no caso de Henrik, mais introvertido e introspectivo no caso de Konrad, construída na juventude, é quebrada pelo desaparecimento súbito de Konrad em circunstâncias estranhas, ligadas a um hipotético caso de romance entre este e a mulher de Henrik, Krisztina. Ao fim de 41 anos sem se verem, Henrik recebe finalmente a visita de Konrad, o qual esperava e previa que tal acontecesse, pois para ambos tal seria essencial para celebrar o desígnio de toda uma vida, onde o cerne desta passa por uma amizade forte e desinteressada, onde quase tudo o resto, no final da vida, se revela fugaz e banal, comum a qualquer vivência humana.

Além de condições sociais bem distintas, Henrik de avultados recursos, contrastando com Konrad que consegue singrar no meio académico e militar com grande sacrifício dos pais pobres, Konrad tem uma sensibilidade e alcance de espírito que ultrapassa em muito o simples mas pleno gozo imediato da vida de Henrik, e essa dualidade, embora signifique um complemento recíproco na relação entre os dois, gera uma relação especial entre Konrad e Krisztina, que também tem o mesmo tipo de inclinação espiritual e introspectiva de Konrad.

O encontro final entre os dois amigos, em que Henrik toma a iniciativa de tentar encontrar uma explicação para o sucedido há 41 anos atrás, na posse de um diário de Krisztina que tinha falecido 8 anos após o desaparecimento súbito de Konrad, decorre em crescendo de mistério e suspense quanto ao seu desenlace, mormente por o diário nunca ter sido aberto e por várias dissertações e divagações de Henrik quanto ao sentido da vida, ao que está por detrás das relações entre as pessoas e as suas motivações, e a explicação natural, maturada ao longo dos anos, para tudo o que aconteceu. Num silêncio cúmplice, o pensamento de Henrik parece ir de encontro a uma sabedoria de vida revelada por Konrad, em que, os dois por percursos bem diferentes, parecem ter chegado.

Trata-se de um romance comovente sobre a amizade, onde alguém prefere uma ruptura a um conflito, e onde ambos aparentemente perdem mas salvam a coerência de um sentimento maior, superior a qualquer outro objectivo de vida, de forma nobre e elevada. O diálogo/monólogo de Henrik é cativante pela sinceridade e frontalidade, sem pôr em causa o sentimento comum mas explorando sem tabus todos os meandros de pensamento e comportamento de uma relação estranha mas pura.

Facebook

A Poesia

... Quantas obras de arte... Já não cabem no mundo... Temos de as pendurar fora dos quartos... Quantos livros... Quantos livrecos... Quem será capaz de os ler?... Se fossem comestíveis... Se numa pan...

Um Bom Pai

Um bom pai não é aquele que nunca perde a paciência, mas é aquele que dialoga muito com os seus filhos, que tem prazer em entrar no mundo deles, que não os deixa do lado de fora da sua história. Ning...
Inspirações

Não há Normas

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE
Loading...