Natália Correia

Portugal
13 Set 1923 // 16 Mar 1993
Poeta

35 Citações

>>

Acho que a missão da mulher é assombrar, espantar. Se a mulher não espanta... De resto, não é só a mulher, todos os seres humanos têm que deslumbrar os seus semelhantes para serem um acontecimento. Temos que ser um acontecimento uns para os outros. Então a pessoa tem que fazer o possível para deslumbrar o seu semelhante, para que a vida seja um motivo de deslumbramento. Se chama a isso sedução, cumpri aquilo que me era forçoso fazer. O meu primeiro contacto com as pessoas é de uma grande afabilidade. Quando as pessoas recusam essa afabilidade, então eu dou-lhes o que elas me pedem: irascibilidade. Volto-lhes as costas irascivelmen-te, mais nada. Se é isso mau génio, talvez seja.

Entrevista (1983)
Eu sempre estive na serenidade, daí as pessoas, às vezes, poderem achar que a minha expressão é um pouco rebarbativa, mas isso é precisamente o desafogar de coisas que não quero ter recalcadas em mim. Não cultivo a morbidez dos conflitos interiores. Sou um ser escandalosamente saudável! Por isso, canto os deuses.

Entrevista (1983)
Devo dizer-lhe que o homem português é particularmente encantador. Para já, amam as mulheres, e tanto basta para que os achemos maravilhosos. É feio não gostarmos dos que nos amam. O feminismo não pode cometer essa injustiça.

Entrevista (1983)
A sabedoria é mesmo feminina. Correndo o risco de me repetir ou citar a mim mesma, direi que a «sophia» é feminina. A sabedoria é feminina e a filosofa é masculina. O homem enamora-se da sabedoria, mas nunca chega lá. E o percurso para... A mulher, ela própria, é ovularmente o segredo do Universo. Ela contém em si a sabedoria. As vezes não tem é consciência disso.

Entrevista (1983)
Os meus heróis na vida real são os que desafiam a lei em nome de um ideal.

Entrevista (1962)
O que é que ficou da revolução do 25 de Abril? Ficou uma grande disponibilidade para as pessoas se organizarem.

Entrevista (1983)
O meu sonho de felicidade seria não haver necessidade de poesia como género literário por ela se achar já realizada na vida.

Entrevista (1962)
O espírito manifesta-se de diversas formas divinas, que são os deuses. É isso o politeísmo! O politeísmo é a própria demonstração de que a unidade está no espírito e que os deuses são facetas dessa unidade. Eu sou uma espiritualista!

Entrevista (1983)
Todos temos uma parte misteriosa e há quem pretenda resolver os seus mistérios na psicanálise. Eu prefiro dar-lhes voz na Poesia.

Entrevista (1983)
Eu sou desastrada, sou uma pessoa débil, uma pessoa falhada, alegremente, conscientemente falhada em muitas coisas. Não sei tratar de nada, na ordem das coisas práticas, não sei assinar um cheque, sou perfeitamente desastrada. Só sei escrever.

Entrevista (1983)
>>
 

Facebook

© Copyright 2003-2018 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE