Florbela Espanca

Portugal
8 Dez 1894 // 8 Dez 1930
Poetisa

230 Citações

<< >>

Dor

Para as traições, para as mentiras, para o que é vil e falso, tem a gente remédio: tem o orgulho; mas para a dor que te faz mal, para essa nenhum remédio há.

Correspondência (1926)
O silêncio é às vezes o que faz mais mal quando a gente sofre.

Correspondência (1926)
Estou cansada, cada vez mais incompreendida e insatisfeita comigo, com a vida e com os outros. Diz-me, porque não nasci igual aos outros, sem dúvidas, sem desejos de impossível? E é isto que me traz sempre desvairada, incompatível com a vida que toda a gente vive...

Correspondência (1930)
Eu gostava mais de que ficassem as duas quadras de cada soneto dum lado da folha e os dois tercetos do outro lado. Fica o soneto menos duro, lê-se melhor. Assim o soneto todo numa página, dum jacto, não gosto, francamente.

Correspondência (1930)
A amizade é o maior sentimento que não morre.

Correspondência (1911)
De tudo o que nós fazemos de sincero e bem intencionado alguma coisa fica.

Correspondência (1928)
Eu julgo que a mulher verdadeiramente digna é aquela a quem repugna uma traição, seja ela de que natureza for.

Correspondência (1912)
Acho que é no casamento que está a felicidade de um homem normal.

Correspondência (1927)
Afinal, quem é que tem a pretensão de não ser louca?... Loucos somos todos, e livre-me Deus dos verdadeiros ajuizados, que esses são piores que o diabo!

Correspondência (1916)
Pena é não haver um manicómio para corações, que para cabeças há muitos.

Correspondência (1912)
<< >>
 

Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE