Ruben A.

Portugal
26 Mai 1920 // 23 Set 1975
Escritor/Ensaísta/Historiador

9 Citações



O amor pode ser uma dupla felicidade – a felicidade dos primeiros tempos, da total entrega, e a segunda felicidade, a felicidade das coisas reais, das formas, dos modos de sentir, da participação consciente de uma pessoa noutra.

Silêncio Para 4
O amor é duas coisas ao mesmo tempo; uma, muito fraca, quebra à mínima oscilação; e outra, de uma fortaleza sobrenatural, aliada a um poder que vem das entranhas, força cósmica, para além das convenções, das leis morais, dos requisitos técnicos das religiosidades.

Silêncio Para 4
A exigência mata o amor. A necessidade imensa que tens de companhia, de estar ao pé, de ternura, de já, de saber de ir perto do mais perto, de envolver o amor, de dares personalidade na loucura, essa necessidade mata o amor, estrangula, a liberdade é amor que rouba o livre amor, é tão bom que deita por fora, escalda.

Silêncio Para 4
O amor é prazer, é amor de companhia, é amor de estar junto, precisa de mais coisas. (...) Mas onde é que está o amor completo? Essa ambição mata o amor, esse desejo de tudo ter da outra pessoa, de tudo exigir, de tudo querer, essa ambição leva a desgraça, a drama, a paixão sem controle, folha de árvore a cair no Outono.

Silêncio Para 4
Amor é a possibilidade de duas pessoas não se aborrecerem uma à outra.

Silêncio Para 4
Muito do amor vem com o trabalho, com a persistência, com a presença. (...) O amor é uma obra de arte, o acto do amor é uma obra de arte.

Silêncio Para 4
Quando o amor domina, quando vivemos rodeados de amor, nesse momento ficamos órfãos, num orfanato de província, triste de espírito, puros de pecado, segredo íntimo de que estamos errados, de que estamos contentes por estarmos errados, um dobre vivo a finados, toque de sino que diz, que fala...

Silêncio Para 4
A paixão é feita de carradas de infelicidade e outras carradas de felicidade. (...) Vale a pena, vale sempre a pena, se não houver paixão, amor, eu insisto em chamar amor, se não houver paixão, nunca se sabe o que é viver, o que é a entrega, uma lucidez que dá alegria, uma lucidez que só se tem nessas alturas, depois passa, lucidez e entusiasmo.

Silêncio Para 4
O amor é feito de períodos muito curtos, prestações de nada. (...) O amor é de momentos que não se espera onde vão ter, onde surgem, é de segundos segundos que gritam eternidade, o amor é de general que repara por acaso na paisagem, que inspecciona o que está frente aos olhos, distraído, doses mínimas, as doses máximas matam, rebentam mata-ratos, rebenta-bois, lá diz o povo.

Silêncio Para 4
 

Facebook

Inspirações

O Foco do Desejo

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE