As Minhas Aventuras na República Portuguesa

por: Miguel Esteves Cardoso
Portugal
n. 25 Jul 1955
Crítico/Escritor/Jornalista

19 Citações

>>

A lealdade é hoje uma virtude qye ninguém respeita profundamente. É demasiado irracional para se poder louvar. Ser leal é ser incondicional. É ir contra a razão, contra a justiça, contra a utilidade, das pessoas e das coisas. A lealdade é insensível. Ser leal é ajudar o amigo milionário a roubar uma moeda de 10 escudos do bolso de um pobre. A lealdade pode ser muito feia. É por isso que é tão bonita. É muito simples. A lealdade é uma decisão que a alma já tomou.
O mal do amor dos filhos é que, quando corre mal, passa-nos como uma lâmina pelo coração e fá-lo em bifinhos. Quando corre bem faz-nos o coração em bifinhos também. A diferença está apenas no tempero.
Os verdadeiros democratas não são aqueles histéricos que exigem isto e reivindicam aquilo, que dizem que precisamos de não sei quê e que vamos todos morrer estúpidos se não fizermos não sei que mais. São os que vivem e deixam viver. São os que respeitam as opiniões, as excentricidades e as manias dos outros, sem ceder à tentação de os desconvencer à força.
O amigo leal é aquele que, depois de se sacrificar em público pelo amigo, ajudando-o a vencer, lhe diz em particular «Olha que aqui para nós, não merecias ganhar». É aquele que, em nome da amizade, aguenta com as dúvidas e diz, partindo para a batalha: «Isto vai acabar mal, mas tu lá sabes...».
Os bebés são malcriados, preguiçosos e egoístas e «safam-se». É evidente. Não é justo, mas é evidente. Safam-se porque são lindos de morrer. Quando forem crescidos, vão ter de escrever sonetos, passar exames, comprar flores, escolher vinhos, esforçar-se.
O melhor do amor é sentir-se que se tem todos os namorados que se quer, e só ter um.
Estamos todos presos no presente. O presente pode não ser perpétuo, mas existe. O futuro nunca aconteceu.
O português é curto, mas tem o corpo bem feitinho. É feiote, mas tem os olhos profundos e um caracol moreninho. Em público, pode ser gingão e malandreco, mas quando se apanha a sós, é ternurento e maneirinho.
Para um português, o castigo redime. O sofrimento alivia. Concreta a ansiedade. Enche o vazio. Dá um foco à errância desfocada da alma. Eu sei lá.
Os portugueses estão drogados com o sofrimento. São «junkies» da melancolia. Injectam-se com as próprias misérias e, quando estas faltam, com as alheias. Acham que o sofrimento faz bem à alma.
>>
 

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE