Os infinitos do amor

por: José Luís Nunes Martins
Portugal
n. 14 Mar 1971
Filósofo

64 Citações

<< >>

É sempre mais cómodo não fazer nada. Mas é, sempre, pior. A preguiça é uma não-vontade que petrifica, afunda e afoga (em água morna) todos quantos se entregam aos encantos do descuido e do desleixo.
É sábio ser prudente, assim como corajoso para arriscar tudo quando chega o momento. Pensar e sentir exigem tempo e determinação. Esperança e desprendimento. Reserva e prontidão.
Hoje vive-se devagar demais. Apesar das agitações e velocidades, a maior parte dos homens gira apenas em torno de si mesmo. Como se o mundo fosse apenas o eu.
A felicidade não é um direito nem um dever. É um dom que, de forma gratuita, se acrescenta àquilo que vamos fazendo, por entre as dores e sofrimentos desta nossa vida. Constrói-se.
Há uma bondade natural e profunda nas amizades. São compromissos de aceitação. São fortes, sólidas e duradouras. Não têm pressas, tão-pouco são instantâneas. O amor encerra infinitos mistérios, mas para que surja e possa crescer é preciso que o aceitem e que nele se queira investir e trabalhar.
Os amigos não são para matar o tempo. Servem para preencher as necessidades do outro, não o nosso vazio. Amar é dar-se, não é um negócio de troca de benefícios e prejuízos.
Não há ninguém, por pior que tenha feito, que não consiga inverter os piores dos hábitos e fazer-se bom e verdadeiro.
A inveja quer o que há de bom na vida do outro. Esquece-se do melhor que pode haver na sua… Cobiça o bem do outro, mas não valoriza o seu. A inveja é própria de quem se perdeu.
A inveja é uma paixão desonesta acompanhada de um sentimento penoso.
Não faz muito sentido que percamos o nosso tempo todo a tentar conquistar o que não depende de nós. Será uma futilidade e uma perda de energia e tempo que podia e devia ser utilizado naquilo que é essencial e está ao alcance da nossa mão.
<< >>
 

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE