Albert Einstein

Alemanha
14 Mar 1879 // 18 Abr 1955
Físico, Teoria da Relatividade

45 Citações

>>

Temos o destino que merecemos. O nosso destino está de acordo com os nossos méritos.
Não creio, no sentido filosófico do termo, na liberdade do homem. Todos agem não apenas sob um constrangimento exterior mas também de acordo com uma necessidade interior.
Todos os dias penso imensas vezes que a minha vida exterior e interior assenta sobre o labor dos seres humanos presentes e dos que já faleceram, de modo que tenho de me esforçar por dar na mesma medida em que recebi e continuo a receber.
As diferenças sociais de classe não se justificam e, em última análise, são baseadas na violência.
Aquilo que considero verdadeiramente valioso na engrenagem da Humanidade não é o Estado, mas sim o indivíduo criador e emotivo, a personalidade: só ela é capaz de criar aquilo que é nobre e sublime, enquanto o povo em si permanece embotado no pensar e frígido no sentir.
O militarismo é uma espécie de nódoa nas grandes realizações da civilização moderna. Heroísmo encomendado, violência regulamentada, patriotismo arrogante tornam vil e abominável qualquer guerra de agressão. Por minha parte preferia ser fuzilado a tomar parte numa luta desse tipo.
O que há de mais belo na nossa vida é o sentimento do mistério. É este o sentimento fundamental que se detém junto ao berço da verdadeira arte e da ciência.
Qual é o sentido da nossa vida em especial, e qual o sentido da vida de todos os seres em geral? Saber responder a esta pergunta equivale a ser-se religioso. Hão-de perguntar: fará sentido pôr-se esta questão? Respondo: Quem considere a sua própria vida e a dos seus semelhantes como desprovida de sentido, não é somente infeliz, como ainda incapaz de viver.
Determina-se o verdadeiro valor dum homem, observando, em primeiro lugar, até que ponto e em que sentido conseguiu libertar-se do seu Eu.
Tudo quanto nas nossas instituições, leis e costumes é moralmente valioso, teve origem nas manifestações do sentimento de justiça de inúmeros indivíduos ao longo dos tempos. As instituições são impotentes no sentido moral, se não forem apoiadas e alimentadas pelo sentido de responsabilidade de indivíduos vivos.
O comportamento ético do homem deve basear-se eficazmente na compaixão, na educação e nos laços sociais, e não necessita de base religiosa. Triste seria a condição humana se os homens precisassem de ser refreados pelo temor do castigo ou pela esperança da recompensa depois da morte.
São numerosas as cátedras, mas raros os sábios e distintos professores. Numerosas e amplas são as salas de conferência, mas pouco numerosa a gente moça, que sinceramente aspira à verdade e à justiça. É numerosa a matéria bruta que a natureza oferece; o que raramente produz, porém, é matéria delicada.
A importância dada ao sistema de competição e a especialização precoce, sob pretexto da utilidade imediata, é o que mata o espírito de que depende toda a actividade cultural e até mesmo o próprio florescimento das ciências de especialização.
O ensino deve ser de modo a fazer sentir aos alunos que aquilo que se lhes ensina é uma dádiva preciosa e não uma amarga obrigação.
A única educação racional é a que pretende fazer do indivíduo o que ele próprio pode ser, a que o toma por modelo de si mesmo, ainda que tal perspectiva, em certos casos, possa parecer assustadora.
As comunidades costumam ter menor sentido de responsabilidade e menos escrúpulos de consciência que os indivíduos.
A interrupção do treino intelectual nos anos decisivos do desenvolvimento, deixa fácilmente, atrás de si, uma lacuna que dificilmente poderá ser depois preenchida.
Não basta apenas ter capacidade de trabalho, inteligência e prestígio, assente em provas prestadas, pois são necessárias também a independência de preconceitos nacionais e a dedicação aos fins comuns a todos, tão raras nos nossos tempos.
Ver com os próprios olhos, sentir e julgar sem sucumbir à sugestão da moda do dia, saber dizer o que se viu e sentiu, numa frase sucinta ou até mesmo numa palavra artisticamente modelada — não é maravilhoso? Será preciso ainda felicitar-vos?
O Europeu, comparado com o Americano, é mais crítico, mais consciente, menos afável e prestável, mais exigente nas suas distracções e nas suas leituras e, geralmente, mais ou menos pessimista.
>>
 

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE