Joel Neto

Portugal
n. 3 Mar 1974
Escritor / Cronista

O Lugar Certo

O tempo mudava de um momento para o outro, juntando, no curto espaço de vinte e quatro horas, a Primavera e o Outono, o Verão e até Inverno. Mas José Artur sentia-se vivo como um lobo das estepes libertado. Tinha a tensão alta dos heróis românticos e, em muitas circunstâncias, dava por si a citar Thoreau:

“Fui para os bosques viver de livre vontade. Vara sugar todo o tutano da vida, para aniquilar tudo o que não era vida e para, quando morrer, não descobrir que não vivi.”

Lamentava que Darwin ou Twain não tivessem encontrado naquelas ilhas o mesmo que ele encontrava agora, mas percebeu que, no século dezanove, ainda restavam outros paraísos no planeta. E, de qualquer modo, havia Chateaubriand, Raul Brandão, até Melville, impressionado com a valentia dos marinheiros das ilhas a leste de Nantucket. Não, ele não estava louco. Havia uma sabedoria naquilo — havia ecos e refracções, como se algo de mais profundo se insinuasse. Tinha a certeza de que, se a terra tremesse agora, conseguiria senti-la.

Aquele era o seu lugar. Não havia por que sentir falta dos privilégios da cidade. Um homem que soubesse povoar-se tinha alimento para uma vida na fotografia de um labandeira, com a sua cauda saltitante, perscrutando o solo em busca de alimento. E quem não fosse capaz de sustentar-se disso podia sempre recorrer às tascas e às tabernas, às sociedades filarmónicas e às fanfarras, ao Carnaval, às touradas e aos Bodos e a todas as demais folias com que agora lhe parecia possível aplacar até a mais inabalável solidão.

Joel Neto, in 'Arquipélago'
(Excerto sobre os Açores)




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE