Diogo Alcoforado

Portugal
n. 1937

A Lágrima

7

Tornamo-la espelho. Certa, vem
dos dias longos, gastos, fulgurante
traçando o curso: aí, diante
do vidro se encontra, se retém

sobre a mesa, leve, a dor. De quantos
golpes, e sorrisos, se constrói? In-
dizível parte, e passa, e fin-
da alva, algures - se longe, tantos

olhos a espiam. Que som havia
antes, tal espaço? Palavra ou
tão só a noite? E (ainda) leda

se desdobra, a: sinal, ave, fria
corre, imagem dura que secou
no sulco, vão: a lágrima, a queda.

Diogo Alcoforado, in 'Exercícios Circulares'




Outros Poemas de Diogo Alcoforado:

Facebook

Inspirações

Amor Inexplicável

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE