António Nobre

Portugal
16 Ago 1867 // 18 Mar 1900
Poeta

À Luz da Lua!

Iamos sós pela floresta amiga,
Onde em perfumes o luar se evola,
Olhando os céus, modesta rapariga!
Como as crianças ao sair da escola.

Em teus olhos dormentes de fadiga,
Meio cerrados como o olhar da rola,
Eu ia lendo essa ballada antiga
D'uns noivos mortos ao cingir da estola...

A Lua-a-Branca, que é tua avozinha,
Cobria com os seus os teus cabellos
E dava-te um aspeto de velhinha!

Que linda eras, o luar que o diga!
E eu compondo estes versos, tu a lel-os,
E ambos scismando na floresta amiga...

António Nobre, in 'Só'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

O Somno de João

O João dorme... (Ó Maria,/ Dize áquella cotovia/ Que falle mais devagar:/ Não vá o João, acordar...)/ / Tem só um palmo de altura/ E nem meio de largura:/ Para o amigo orangotango/ O João seria... um...

Vaidade, Tudo Vaidade!

Vaidade, meu amor, tudo vaidade!/ Ouve: quando eu, um dia, for alguem,/ Tuas amigas ter-te-ão amizade,/ (Se isso é amizade) mais do que, hoje, têm./ / Vaidade é o luxo, a gloria, a caridade,/ Tudo va...

A Vida

Ó grandes olhos outomnaes! mysticas luzes!/ Mais tristes do que o amor, solemnes como as cruzes!/ Ó olhos pretos! olhos pretos! olhos cor/ Da capa d'Hamlet, das gangrenas do Senhor!/ Ó olhos negros c...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE