Alberto d'Oliveira

Portugal
13 Jun 1873 // 23 Abr 1940
Escritor/Poeta

À Minha Filha

Vejo em ti repetida,
A anos de distância,
A minha própria vida,
A minha própria infância.

É tal a semelhança,
É tal a identidade,
Que é só em ti, criança,
Que entendo a eternidade.

Todo o meu ser se exala,
Se reproduz no teu:
É minha a tua fala,
Quem vive em ti, sou eu.

Sorris como eu sorria,
Cismas do meu cismar,
O teu olhar copia,
Espelha o meu olhar.

És como a emanação,
Como o prolongamento,
Quer do meu coração,
Quer do meu pensamento.

Encarnas de tal modo
Minha alma fugitiva,
Que eu não morri de todo
Enquanto sejas viva!

Por que mistério imenso
Se fez a transmissão
De quanto sinto e penso
Para esse coração?

Foi como se eu andasse
Noutra alma a semear
Meu peito, minha face,
Meu riso, meu olhar...

Meus íntimos desejos,
Meus sonhos mais doirados,
Florindo com meus beijos
Os campos semeados.

Bendita é a colheita,
Deus confiou em nós...
Colhi-te, flor perfeita,
Eco da minha voz!

Foi o amor, foi o amor,
Ó filha idolatrada,
O sopro criador
Que te tirou do nada!

Deus bendito e louvado,
Ó filha estremecida,
Por te cá ter mandado
A reviver-me a vida!

Alberto de Oliveira, in "Lar"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Lisboa

Ó Cidade da Luz! Perpétua fonte/ De tão nítida e virgem claridade,/ Que parece ilusão, sendo verdade,/ Que o sol aqui feneça e não desponte.../ / Embandeira-se em chamas o horizonte:/ Um fulgor áureo...

Mães de Portugal

Ó Mães de Portugal comovedoras,/ Com Meninos Jesus de encontro ao peito,/ Iguais na devoção e amor perfeito/ Aos painéis onde estão Nossas Senhoras!/ / Ó Virgem Mãe, qual se tu própria foras,/ Surgem...

A Ti

Como o sol nasce do monte/ E todo o vale alumia,/ Assim no meu horizonte/ Nasceu teu olhar, um dia./ / Nessa manhã cor-de-rosa,/ Que dos teus olhos saía,/ Tua voz melodiosa/ Foi a voz da cotovia./ / ...
Inspirações
Facebook