António Osório

Portugal
n. 1 Ago 1933
Escritor/Poeta

13 Poemas



A Meus Filhos (1)

A meus filhos/ desejo a curva do horizonte./ / E todavia deles tudo em mim desejo:/ o felino gosto de ver,/ o brilho chuvoso da pele,/ as mãos que desvendam e amam./ / Marga,/ meu fermento,/ neles ca...

Amo os Teus Defeitos (2)

Amo os teus defeitos, e tantos/ eram, as tuas faltas para comigo/ e as minhas; essa ênfase/ de rechaçar por timidez; solidão/ de fazer trepadeiras, agasalhos/ para velhos, depois para netos;/ indulgê...

Os Loucos (3)

Há vários tipos de louco./ / O hitleriano, que barafusta./ O solícito, que dirige o trânsito./ O maníaco fala-só./ / O idiota que se baba,/ explicado pelo psiquiatra gago./ O legatário de outros,/ o ...

Sítio Exacto (4)

Sei que não acaba/ o teu prazer,/ nem o meu./ / Alguém/ ama connosco/ e nos leva/ ao sítio exacto/ das estações./ / Nem o sono/ depois nos pertence,/ quinhão de outros/ herdado após amarem./ / Ant...

Mãe que Levei à Terra (5)

Mãe que levei à terra/ como me trouxeste no ventre,/ que farei destas tuas artérias?/ Que medula, placenta,/ que lágrimas unem aos teus/ estes ossos? Em que difere/ a minha da tua carne?/ / Mãe que l...

Peso do Mundo (6)

A poesia não é, nunca foi/ uma enumeração ou composto/ de exuberância, bondade,/ altitude, nem arado/ ou dádiva sobre chão/ prenhe de mortos./ / Nem o arrependimento/ de Deus por ter criado o homem/ ...

Amar (7)

Amar não deve ser desfortuna./ O cio transfunde/ a lagartixa e o homem/ na criação tenaz./ E o buxo, o pólen/ e as primeiras folhas/ da vinha virgem. Amor/ não tem quaresma,/ nela impetuoso regressa ...

As Adolescentes (8)

A pele mosqueada da maçã reineta,/ um ar vago e doce, feliz./ Subitamente correm como rapazes,/ são a corda do arco/ que se dilata e a seta do corpo/ chega aos quinze anos,/ quando abrem as ancas/ e ...

Cada Segundo (9)

Não desejo a indigência,/ a serenidade/ dos lugares desertados:/ desejo que cada segundo/ quando amo/ explodisse/ e fosse a terra/ em sua expansão/ durante a primeira noite,/...

Nascente (10)

Quando sinto de noite/ o teu calor dormente/ e devagar/ para que não despertes/ digo: cedro azul,/ terra vegetal,/ ou só/ amor, amor;/ quando te acaricio/ e devagar/ para que não despertes/ tomo na m...

Ignição (11)

Meus versos, desejo-vos na rua,/ nas padiolas, pelo chão, encardidos/ como quem ganha com eles a vida,/ e o papel vá escurecendo ao sol,/ a chuva o manche, a capa/ ganhe dedadas, a companhia/ aderent...

Um Sentido (12)

Porque há um sentido/ no lírio, incensar-se;/ e no choupo, erguer-se;/ e na urze arborescente,/ ampliar-se;/ e no cobre, primeira cura,/ que dou à vinha,/ procriar-se./ / E outro, pressago,/ sentido ...

Amando (13)

Amando/ fazemos juntos/ o presépio,/ com musgo, pinhas,/ ervilhaca./ / E ovelhas/ procurando/ pelos lábios/ o campo/ um do outro./ / E pão, mel,/ courelas/ que renascem/ da geada,/ semoventes./ / E o...


Facebook

Inspirações

Ímpeto de Voar

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE