Carlos Pena Filho

Brasil
17 Mai 1929 // 10 Jun 1960
Poeta

7 Poemas



Olinda (1)

(Do alto do mosteiro, um frade a vê)/ / De limpeza e claridade/ é a paisagem defronte./ Tão limpa que se dissolve/ a linha do horizonte./ / As paisagens muito claras/ não são paisagens, são len...

A Solidão e Sua Porta (2)

A Francisco Brennand/ / Quando mais nada resistir que valha/ a pena de viver e a dor de amar/ e quando nada mais interessar/ (nem o torpor do sono que se espalha),/ / quando, pelo desuso da na...

Soneto das Metamorfoses (3)

A Edmundo Morais/ / Carolina, a cansada, fez-se espera/ e nunca se entregou ao mar antigo./ Não por temor ao mar, mas ao perigo/ de com ela incendiar-se a primavera./ / Carolina, a cansada que...

Testamento do Homem Sensato (4)

Quando eu morrer, não faças disparates/ nem fiques a pensar: «Ele era assim...»/ mas senta-te num banco de jardim,/ calmamente comendo chocolates./ / Aceita o que te deixo, o quase nada/ destas palav...

Soneto, às Cinco Horas da Tarde (5)

Agora que me instigo e me arremesso/ ao branco ofício de prender meu sono/ e depois atirá-lo em seu vestido/ feito de céu e restos de incerteza,/ / recolho inutilmente de seus lábios/ a precisão do s...

Soneto para Greta Garbo (6)

(Em louvor da decadência bem comportada)/ / Entre silêncio e sombra se devora/ e em longínquas lembranças se consome;/ tão longe que esqueceu o próprio nome/ e talvez já nem saiba porque chor...

Elegia para a Adolescência (7)

E enfim descansaremos sob a verde/ resistência dos campos escondidos./ Nem pensaremos mais no que há-de ser de/ nós que então seremos definidos./ / No mar que nos chamou, no mar ausente,/ simples e p...


Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE