Florbela Espanca

Portugal
8 Dez 1894 // 8 Dez 1930
Poetisa

135 Poemas

<< >>

Versos (41)

Versos! Versos! Sei lá o que são versos.../ Pedaços de sorriso, branca espuma,/ Gargalhadas de luz, cantos dispersos,/ Ou pétalas que caem uma a uma.../ / Versos!... Sei lá! Um verso é o teu olhar,/ ...
A Mensageira das Violetas

À Tua Porta Há um Pinheiro Manso (42)

À tua porta há um pinheiro manso/ De cabeça pendida, a meditar,/ Amor! Sou eu, talvez, a contemplar/ Os doces sete palmos do descanso./ / Sou eu que para ti atiro e lanço,/ Como um grito, meus ramos ...
A Mensageira das Violetas

Conto de Fadas (43)

Eu trago-te nas mãos o esquecimento/ Das horas más que tens vivido, Amor!/ E para as tuas chagas o unguento/ Com que sarei a minha própria dor./ / Os meus gestos são ondas de Sorrento.../ Trago no no...
Charneca em Flor

Sem Palavras (44)

Brancas, suaves mãos de irmã/ Que são mais doces que as das rainhas,/ Hão de pousar em tuas mãos, as minhas/ Numa carícia transcendente e vã./ / E a tua boca a divinal manhã/ Que diz as frases com qu...
A Mensageira das Violetas

Exaltação (45)

Viver! Beber o vento e o sol! Erguer/ Ao céu os corações a palpitar!/ Deus fez os nossos braços pra prender,/ E a boca fez-se sangue pra beijar!/ / A chama, sempre rubra, ao alto a arder!/ Asas sempr...
Livro de Sóror Saudade

Neurastenia (46)

Sinto hoje a alma cheia de tristeza!/ Um sino dobra em mim Ave-Maria!/ Lá fora, a chuva, brancas mãos esguias,/ Faz na vidraça rendas de Veneza .../ / O vento desgrenhado chora e reza/ Por alma dos q...
Livro de Mágoas

Espera... (47)

Não me digas adeus, ó sombra amiga,/ Abranda mais o ritmo dos teus passos;/ Sente o perfume da paixão antiga,/ Dos nossos bons e cândidos abraços!/ / Sou a dona dos místicos cansaços,/ A fantástica e...
Charneca em Flor

Supremo Enleio (48)

Quanta mulher no teu passado, quanta!/ Tanta sombra em redor! Mas que me importa?/ Se delas veio o sonho que conforta,/ A sua vinda foi três vezes santa!/ / Erva do chão que a mão de Deus levanta,/ F...
Charneca em Flor

Anoitecer (49)

A luz desmaia num fulgor d'aurora,/ Diz-nos adeus religiosamente.../ E eu, que não creio em nada, sou mais crente/ Do que em menina, um dia, o fui... outrora.../ / Não sei o que em mim ri, o que em m...
Livro de Sóror Saudade

Lágrimas Ocultas  (50)

Se me ponho a cismar em outras eras / Em que ri e cantei, em que era querida, / Parece-me que foi noutras esferas, / Parece-me que foi numa outra vida ... / / E a minha triste boca dolorida, / Que da...
Livro de Mágoas
<< >>

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE