Manuel de Melo Duarte Alegre

Portugal
n. 12 Mai 1936
Escritor/Político

13 Poemas



As Sete Penas do Amor Errante (1)

Eu não sei se os teus olhos se gaivotas/ mas era o mar e a Índia já perdida/ as ilhas e o azul o longe e as rotas/ minha vida em pedaços repartida./ / Eu não sei se o teu rosto se um navio/ mas era o...

Trova do Vento que Passa (2)

Para António Portugal/ / Pergunto ao vento que passa/ notícias do meu país/ e o vento cala a desgraça/ o vento nada me diz./ / Pergunto aos rios que levam/ tanto sonho à flor das águas/ e os rios não...

Agora Mesmo (3)

Está gente a morrer agora mesmo em qualquer lado/ Está gente a morrer e nós também/ / Está gente a despedir-se sem saber que para/ Sempre/ Este som já passou Este gesto também/ Ninguém se banha duas ...

Teoria do Amor (4)

Amor é mais do que dizer./ Por amor no teu corpo fui além/ e vi florir a rosa em todo o ser/ fui anjo e bicho e todos e ninguém./ / Como Bernard de Ventadour amei/ uma princesa ausente em Tripoli/ am...

Natal (5)

Acontecia. No vento. Na chuva. Acontecia./ Era gente a correr pela música acima./ Uma onda uma festa. Palavras a saltar./ / Eram carpas ou mãos. Um soluço uma rima./ Guitarras guitarras. Ou talvez ma...

As Facas (6)

Quatro letras nos matam quatro facas/ que no corpo me gravam o teu nome./ Quatro facas amor com que me matas/ sem que eu mate esta sede e esta fome./ / Este amor é de guerra. (De arma branca)./ Amand...

Balada de Lisboa (7)

Em cada esquina te vais/ Em cada esquina te vejo/ Esta é a cidade que tem/ Teu nome escrito no cais/ A cidade onde desenho/ Teu rosto com sol e Tejo/ / Caravelas te levaram/ Caravelas te perderam/ Es...

Portugal (8)

O teu destino é nunca haver chegada/ O teu destino é outra índia e outro mar/ E a nova nau lusíada apontada/ A um país que só há no verbo achar/ / Manuel Alegre, in Chegar Aqui ...

Balada do Poema que não Há (9)

Quero escrever um poema/ Um poema não sei de quê/ Que venha todo vermelho/ Que venha todo de negro/ Às de copas às de espadas/ Quero escrever um poema/ Como de sortes cruzadas/ / Quero escrever um po...

Da Tua Vida (10)

Da tua vida o que não podem entender/ Nem oiro nem poder nem segurança/ Mas a paixão do Tempo e de seus riscos/ Tu buscaste o instante e a intensidade/ E foste do combate e da mudança/ Por isso um ra...

O Cavaleiro (11)

Talvez o espere ainda a Incomeçada/ aquela que louvámos uma noite/ quando o abril rompeu em nossas veias./ Talvez o espere a avó o pai amigos/ e a mãe que disfarça às vezes uma lágrima./ Talvez o pró...

Coração Polar (12)

Não sei de que cor são os navios/ quando naufragam no meio dos teus braços/ sei que há um corpo nunca encontrado algures/ e que esse corpo vivo é o teu corpo imaterial/ a tua promessa nos mastros de ...

Sextina (13)

Tanto de amor se disse que não sei/ Como dizer que amor é outra coisa/ Que nem só o teu corpo me fez rei/ Nem tua alma só me deu a rosa/ Tanto se disse menos o dizer/ Esta paixão que é de todo o ser/...


Facebook

Saber Falar às Multidões

Longos discursos, agitar de punhos, socos na mesa, e resoluções expressas com emoção mas desligadas das condições objectivas, não produzem acção de massas e podem provocar grande dano à organização e...

Escutar o Nosso Corpo

O equilíbrio é a base da saúde. Embora seja indiscutível que uma dieta rica em vitaminas, o exercício físico e a meditação são essenciais para uma vida saudável, não existe uma fórmula universal que ...
Inspirações

As Mentes Decididas

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE