Maria Fernanda Teles de Castro e Quadros Ferro

Portugal
8 Dez 1900 // 19 Dez 1994
Escritora

16 Poemas



O Segredo é Amar (1)

O segredo é amar. Amar a Vida/ com tudo o que há de bom e mau em nós./ Amar a hora breve e apetecida,/ ouvir os sons em cada voz/ e ver todos os céus em cada olhar./ / Amar por mil razões e sem razão...

Alegria (2)

De passadas tristezas, desenganos/ amarguras colhidas em trinta anos,/ de velhas ilusões,/ de pequenas traições/ que achei no meu caminho...,/ de cada injusto mal, de cada espinho/ que me deixou no p...

Distância (3)

Não vás para tão longe!/ Vem sentar-te/ Aqui na chaise-longue, ao pé de mim.../ Tenho o desejo doido de contar-te/ Estas saudades que não tinham fim./ / Não vás para tão longe;/ Quero ver/ Se ...

Alma Serena (4)

Alma serena, a consciência pura,/ assim eu quero a vida que me resta./ Saudade não é dor nem amargura,/ dilui-se ao longe a derradeira festa./ / Não me tentam as rotas da aventura,/ agora sei que a m...

Os Anos são Degraus (5)

Os anos são degraus, a Vida a escada./ Longa ou curta, só Deus pode medi-la./ E a Porta, a grande Porta desejada,/ só Deus pode fechá-la,/ pode abri-la./ / São vários os degraus; alguns sombrios,/ ou...

Três Poemas da Solidão (6)

I/ / Nem aqui nem ali: em parte alguma./ Não é este ou aquele o meu lugar./ Desço à praia, mergulho as mãos no mar,/ mas do mar, nos meus dedos, fica a espuma./ / Meu jardim, minha cerca, meu pomar./...

Já não Vivi, Só Penso (7)

Já não vivo, só penso. E o pensamento/ é uma teia confusa, complicada,/ uma renda subtil feita de nada:/ de nuvens, de crepúsculos, de vento./ / Tudo é silêncio. O arco-íris é cinzento,/ e eu cada ve...

Silêncio, Nostalgia... (8)

Silêncio, nostalgia.../ Hora morta, desfolhada,/ sem dor, sem alegria,/ pelo tempo abandonada./ / Luz de Outono, fria, fria.../ Hora inútil e sombria/ de abandono./ Não sei se é tédio, sono,/ silênci...

Não Fora o Mar! (9)

Não fora o mar,/ e eu seria feliz na minha rua,/ neste primeiro andar da minha casa/ a ver, de dia, o sol, de noite a lua,/ calada, quieta, sem um golpe de asa./ / Não fora o mar,/ e seriam contados ...

Meditação (10)

Às vezes, quando a noite vem caindo,/ Tranquilamente, sossegadamente,/ Encosto-me à janela e vou seguindo/ A curva melancólica do Poente./ / Não quero a luz acesa. Na penumbra,/ Pensa-se mais e pensa...

Se os Poetas Dessem as Mãos (11)

Se os Poetas dessem as mãos/ e fechassem o Mundo/ no grande abraço da Poesia,/ cairiam as grades das prisões/ que nos tolhem os passos,/ os arames farpados/ que nos rasgam os sonhos,/ os muros de sil...

Um Pássaro a Morrer (12)

Não é vida nem morte, é uma passagem,/ nem antes nem depois: somente agora,/ um minuto nos tantos duma hora./ Uma pausa. Um intervalo. Uma viragem./ / Prisioneira de mim, onde a coragem/ de quebrar a...

Esta Dor que me Faz Bem (13)

As coisas falam comigo/ uma linguagem secreta/ que é minha, de mais ninguém./ Quem sente este cheiro antigo,/ o cheiro da mala preta,/ que era tua, minha mãe?/ / Este cheiro de além-vida/ e de indizí...

Até que um Dia... (14)

Meus versos eram rosas, lírios, heras,/ borboletas, regatos, cotovias/ cantando suas doces melodias,/ anjos, sereias, ninfas e quimeras./ / Meus versos eram pombas entre as feras/ e, na festa das hor...

Onde o Homem não Chega (15)

Onde o Homem não chega tudo é puro,/ dessa pureza da primeira infância./ Tudo é medida, ritmo, concordância,/ tudo é claro e auroral: a noite, o escuro./ / E nem o vendaval é dissonância/ mas promess...

Se Tudo quanto Existe... (16)

Se tudo quanto existe/ é lenta evolução,/ longa transformação/ sem Deus e sem mistério;/ se tudo no Universo tem sentido/ sem o sopro divino;/ se o segredo da vida, a criação,/ se explica pela ciênci...


Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE