Nuno Júdice

Portugal
n. 29 Abr 1949
Poeta/Ensaísta

23 Poemas

>>

É Isto o Amor (1)

Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que/ me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a/ manhã da minha noite. É verdade que te podia/ dizer: «Como é mais fácil deixar que as coisas/ não mudem, ...

Carta (Esboço) (2)

Lembro-me agora que tenho de marcar um/ encontro contigo, num sítio em que ambos/ nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma/ das ocorrências da vida venha/ interferir no que temos para nos dizer....

Um Amor (3)

Aproximei-me de ti; e tu, pegando-me na mão,/ puxaste-me para os teus olhos/ transparentes como o fundo do mar para os afogados. Depois, na rua,/ ainda apanhámos o crepúsculo./ As luzes acendiam-se n...

Definição (4)

Quem esquece o amor, e o dissipa, saberá/ que sentimento corrompe, ou apenas se o coração/ se encontra no vazio da memória? O vento/ não percorre a tarde com o seu canto alucinado,/ que só os loucos ...

Plano (5)

Trabalho o poema sobre uma hipótese: o amor/ que se despeja no copo da vida, até meio, como se/ o pudéssemos beber de um trago. No fundo,/ como o vinho turvo, deixa um gosto amargo na/ boca. Pergunto...

A Vida (6)

A vida, as suas perdas e os seus ganhos, a sua/ mais que perfeita imprecisão, os dias que contam/ quando não se espera, o atraso na preocupação/ dos teus olhos, e as nuvens que caíram/ mais depressa,...

Um outro Poema de Amor (7)

No fundo, as relações entre mim e ti/ cabem na palma da mão:/ onde o teu corpo se esconde e/ de onde,/ quando sopro por entre os dedos,/ foge como fumo/ um pequeno pássaro,/ ou um simples segredo/ qu...

Poema de Amor (8)

O céu, as linhas de luz na água,/ caminhos diferentes para o coração./ A queda de sons diversos na atenta coincidência/ dos ouvidos. A relação de uma límpida tarde/ com um movimento de ombros junto d...

Poema de Amor para Uso Tópico (9)

Quero-te, como se fosses/ a presa indiferente, a mais obscura/ das amantes. Quero o teu rosto/ de brancos cansaços, as tuas mãos/ que hesitam, cada uma das palavras/ que sem querer me deste. Quero/ q...

A Voz que Nos Rasgou por Dentro (10)

De onde vem - a voz que/ nos rasgou por dentro, que/ trouxe consigo a chuva negra/ do outono, que fugiu por/ entre névoas e campos/ devorados pela erva?/ / Esteve aqui — aqui dentro/ de nós, como se ...

O Amor, um Dever de Passagem (11)

Fui envenenado pela dor obscura do Futuro./ Eu sabia já que algo se preparava contra o meu corpo./ Agora torço-me de agonia/ nos versos deste poema./ Esta é a terra outrora fértil que os meus dedos d...

Confissão (12)

De um e outro lado do que sou,/ da luz e da obscuridade,/ do ouro e do pó,/ ouço pedirem-me que escolha;/ e deixe para trás a inquietação,/ a dor,/ um peso de não sei que ansiedade./ / Mas levo comig...

Quotidiano (Reflexão) (13)

Por exemplo, as coisas que faltam neste lugar:/ uma enxada para que as mãos não toquem na terra,/ um ninho de pardais no canto da relha,/ para que um ruído de asas se possa abrigar,/ um pedaço de ver...

O Amor Eterno (14)

E agora que as mãos da incrédula/ rapariga te empurram para a saída,/ onde irá chover, de acordo com/ a cor do céu, não resistas. Na rua,/ onde os ventos se cruzam na esquina,/ os que sopram, do nort...

Um Poema de Amor (15)

Não sei onde estás, se falas/ ou se apenas olhas o horizonte,/ que pode ser apenas o de uma/ parede de quarto. Mas sei que/ uma sombra se demora contigo,/ quando me pergunto onde estás:/ uma inquieta...

Requiem por Muitos Maios (16)

Conheci tipos que viveram muito. Estão/ mortos, quase todos: de suicídio, de cansaço./ de álcool, da obrigação de viver/ que os consumia. Que ficou das suas vidas? Que/ mulheres os lembram com a nost...

Jogo (17)

Eu, sabendo que te amo,/ e como as coisas do amor são difíceis,/ preparo em silêncio a mesa/ do jogo, estendo as peças/ sobre o tabuleiro, disponho os lugares/ necessários para que tudo/ comece: as c...

Deus (18)

À noite, há um ponto do corredor/ em que um brilho ocasional faz lembrar/ um pirilampo. Inclino-me para o apanhar/ - e a sombra apaga-o. Então,/ levanto-me: já sem a preocupação/ de saber o que é ess...

Metafísica (19)

1/ / Não tenta nada de que se tivesse já esquecido;/ o seu objectivo, agora, é organizar o presente./ / 2/ / Com as mãos, procura avaliar a qualidade da terra:/ se as folhas lhe dão a consistência do...

A Origem do Mundo (20)

De manhã, apanho as ervas do quintal. A terra,/ ainda fresca, sai com as raízes; e mistura-se com/ a névoa da madrugada. O mundo, então,/ fica ao contrário: o céu, que não vejo, está/ por baixo da te...
>>

Facebook

O Caminho do Amor

Não será que o amor é Deus e o coração, a transbordar de amor, é o templo? E não estará a procurar em vão a pessoa que abre mão do amor e procura Deus noutro lado? Em tempos costumava fazer-me esta ...

O Dinheiro Tem uma Qualidade Detergente

O dinheiro tem, entre outras incontáveis virtudes, uma qualidade detergente. E múltiplas qualidades nutricionais. Alegra-te os belos olhos, engorda-te as bochechas, permite-te esse modo de ocupares u...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE