Saúl Dias
(Júlio Maria dos Reis Pereira)

Portugal
1902 // 1983
Poeta

18 Poemas



Já Foste Rico e Forte e Soberano (1)

Já foste rico e forte e soberano,/ Já deste leis a mundos e nações,/ Heróico Portugal, que o gram Camões/ Cantou, como o não pôde um ser humano!/ / Zombando do furor do mar insano,/ Os teus nautas, e...

Sofro de não te Ver (2)

Sofro/ de não te ver,/ de perder/ os teus gestos/ leves, lestos,/ a tua fala/ que o sorriso embala,/ a tua alma/ límpida, tão calma.../ / Sofro/ de te perder,/ durante dias que parecem meses,/ durant...

Nunca Envelhecerás (3)

A tua cabeleira/ é já grisalha ou mesmo branca?/ Para mim é toda loira/ e circundada de estrelas./ Sobre ela/ o tempo não poisou/ o inverno dos anos/ que se escoam maldosos/ insinuando rugas, fios br...

Envelhecer (4)

É bom envelhecer!/ / Sentir cair o tempo,/ magro fio de areia,/ numa ampulheta inexistente!/ / Passam casais jovens/ abraçados!.../ / As árvores/ balançam novos ramos!.../ / E o fio de areia/ a cair,...

Todos os Dias (5)

Todos os dias/ nascem pequeninas nuvens,/ róseas umas,/ aniladas outras,/ nacaradas espumas.../ / Todos os dias/ nascem rosas,/ também róseas/ ou cor de chá, de veludo.../ / Todos os dias/ nascem vio...

A Minha Hora (6)

Que horas são? O meu relógio está parado,/ Há quanto tempo!.../ Que pena o meu relógio estar parado/ E eu não poder marcar esta hora extraordinária!/ Hora em que o sonho ascende, lento, muito lento,/...

Música (7)

A doce, iriada melodia,/ roxa sombra na tarde escarlate,/ chorosa, ouço-a; bate/ e verte quentura na minha alma fria./ / Quantos anos galgaram lépidos,/ furtivos, maldosos, sobre a minha cabeça!/ E n...

O Silêncio (8)

Peço apenas o teu silêncio,/ como uma criança pede uma flor/ ou um velho pedinte um bocado de pão./ Um silêncio/ onde a tua alma se embrulha, friorenta,/ trémula, à aproximação das invernias./ Um sil...

Eu não Quero Esquecer os Dias que Viveram (9)

Eu não quero esquecer os dias que viveram./ Por eles escrevi estes versos mofinos;/ escrevi-os à tarde ouvindo rir meninos,/ meninos loiro-sóis que bem cedo morreram./ / Eu não quero esquecer os dias...

Ali (10)

Ali sofreste. Ali amaste./ Ali é a pedra do teu lar./ Ali é o teu, bem teu lugar./ Ali a praça onde jogaste/ o que o destino te quis dar./ / Ali ficou tua pegada/ impressa, firme, sobre o chão./ Ning...

Amei-te (11)

Amei-te/ porque o teu olhar numa tarde se encheu de lágrimas,/ e falaste em morrer, e tremeste de medo./ / Contudo/ não eras mais que uma flor corruta,/ dessas que a vida enleia e usa/ e depois atira...

Interrogação (12)

Sim, preferi deixar-te,/ abandonando/ a dádiva de encontrar-te./ / Quem eras afinal?/ Qual a estrela que te guiava?/ Qual a cor dos teus dias?/ Qual o segredo que em ti eu tentei desvendar?/ / Abando...

Um Poema (13)

Um poema/ é a reza dum rosário/ imaginário./ Um esquema/ dorido./ Um teorema/ que se contradiz./ Uma súplica./ Uma esmola./ / Dores,/ vividas umas, sonhadas outras.../ (Inútil destrinçar.)/ / Um poem...

Para Todo o Sempre (14)

O Poeta morre,/ mas não cessa de escrever./ / Enquanto escreve,/ vive/ ressuscitando fugidias horas/ mudadas em auroras.../ / Uma pequenina flor,/ pisada por quem passa,/ é agora/ um milagre de cor,/...

Amo-te Tanto (15)

Amo-te tanto/ nem sei porquê!/ Que importa o quê/ do meu espanto?/ / Que importa o riso/ que me concedes?/ Que me embebedes!/ Que paraíso!/ / Indiferente/ quero-te assim./ - Sê bem de mim,/ de toda a...

Nua (16)

I/ / Nua/ como Eva./ A cabeleira/ beija-lhe o rosto oval e flutua;/ o corpo/ é água de torrente.../ / Eva adolescente,/ com reflexos de lua/ e tons de aurora...!/ / Roseira que enflora...!/ / Desflor...

Sangue (17)

Versos/ escrevem-se/ depois de ter sofrido./ O coração/ dita-os apressadamente./ E a mão tremente/ quer fixar no papel os sons dispersos.../ / É só com sangue que se escrevem versos./ / Saúl Dias,...

Poeta (18)

- Poeta errante,/ de olhar vago e distante/ e azul,/ o teu perfil singular/ recorta-se angular/ ao norte e ao sul./ / - Os teus fatos coçados/ bate-os o vento/ e leva-os aos bocados.../ / E os sapato...


Garantia de Qualidade
O Citador é o maior site de citações, frases, textos e poemas genuínos e devidamente recenseados em língua portuguesa. Desde o ano 2000 que o Citador recolhe counteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros. Tem atenção aos Direitos de Autor.
Pesquisa

Citador em Inglês