Walter Benjamim

Alemanha
15 Jul 1892 // 27 Set 1940
Filósofo

7 Poemas



Há em Toda a Beleza uma Amargura (1)

Há em toda a beleza uma amargura/ secreta e confundida que é latente/ ambígua indecifrável duplamente/ oculta a si e a quem na olhar obscura/ / Não fica igual aos vivos no que dura/ e a não pode ente...

Vibra o Passado em Tudo o que Palpita (2)

Vibra o passado em tudo o que palpita/ qual dança em coração de bailarino/ ao regressar já mudo o violino/ e há nuvens sobre o bosque em que transita/ / À paz dos seres a morte em seu contínuo/ cresc...

A Mão que a Seu Amigo Hesita em Dar-se (3)

Perguntaste se eu amo o meu amigo?/ como rompendo um demorado açude/ na tua voz quis hausto que transmude/ todo o cristal dos ímpetos consigo/ / Neste meu choro enevoado abrigo/ pôs-me a palavra o pe...

Como é que a Solidão Hei-de Ir Medindo? (4)

Como é que a solidão hei-de ir medindo?/ desse-me os golpes de uso inda esta dor/ um a um sua nudez a sobrepor/ que o ritmo sem nome a foi vestindo/ / mas sofro agora o tempo nu saindo/ numa levada s...

Era a Memória Ardente a Inclinar-se (5)

Era a memória ardente a inclinar-se/ à giesta do tempo por frescura/ mas o que em seu espelho se figura/ vê que está só e a mesma dor foi dar-se/ / noite e dia e silente de amargura/ uma saudade em f...

Vê Minha Vida à Luz da Protecção (6)

Vê minha vida à luz da protecção/ que dás disposta a dar-se por amor/ e quando a mãe te deu à luz com dor/ o espírito adensou-se nela então/ / o mesmo que em espigas pelo verão/ a negra fronte bela f...

Se ao Mundo Predissesses teu Morrer (7)

Se ao mundo predissesses teu morrer/ na morte a natureza ir-te-ia à frente/ volvendo com mandado intransigente/ no eterno esquecimento o próprio ser/ / O céu se rosaria docemente/ por do teu corpo a ...


Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE