Mário Beirão

Portugal
1 Mai 1890 // 1965


Amor

Quando é noite, e, na voz da Imensidade,
Um alto sonho em lágrimas crepita,
Tua graça de morte me visita,
Teu olhar é um sorriso de saudade...

E a tua Ausência intimamente invade
Meu coração que morto inda palpita;
E a lágrima que eu sangro se ilimita,
Reflecte em sua dor a eternidade!

Vens de Além; são de sombras teus vestidos;
Tua noite de morte me ilumina,
Confundimos em êxtase os sentidos...

Um canto ri na cruz da nossa dor;
Canto onde brilha uma oração divina,
Morre o Desejo e principia o Amor!

Mário Beirão, in 'Antologia Poética'




Outros Poemas de Mário Beirão:

1. Teus Olhos
2. Aleluia
3. Amor
4. Enlevo
5. Ausência
6. Anjo

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE