Mais Populares
De entre todos, apenas vós/ tendes direito a ver-me/ fracassar. Onde caio/ entre a vossa irónica/ doçura implacável, convosco/ partilho o pão e o espaço/ e a rapidez dos olhos/ sobre o que fica (semp...
Está junto das coisas que bordaram/ com ela os dias que supôs mais belos/ e são a fonte de onde lhe começa/ o branco tempo dos cabelos./ / Mal pousa a vida nos seus dedos gastos/ do sonho que pousou ...
Escuta, sorrindo,/ a morte que bate/ de leve em seu corpo/ com ávidos, doces/ punhos da infância;/ com beijos que vão/ enchendo seu rosto/ de tempo e ternura;/ e alimenta, secreta,/ a chama tranquila...

Poema
Vítor Matos e Sá Vítor Matos e Sá Portugal
1926 // 1975 Poeta
  
  
Amo-te Sempre Amo-te sempre
com um pouco de barco e de vento
com uma humildade de mar à tua volta
dentro do meu corpo; com o desespero
de ser tempo;

com um pouco de sol e uma fonte
adormecida na ternura.

Merecer este minuto de palavras habitando
o que há sem fim no teu retrato;
Este mesmo minuto em que chegam e partem navios
- nesta mesma cidade deste
minuto, desta língua, deste
romance diário dos teus olhos -

(e chegarão com armas? refugiados? trigo?
partirão com noivas? missionários? guerras? discursos?)

Merecer a densa beleza do teu corpo
que tem água e ternura, células, penumbra,
que dormiu no berço, dormiu na memória,
que teve soluços, febre, e absurdos desejos
maiores que os braços,

merecer os dias subindo das florestas - e vêm
banhar-se, lentos, nos teus olhos...

Merecer a Igreja, o ajoelhar das palavras,
entre estes cinemas visitando, em duas horas, a alma,
estes eléctricos parando atrás do infinito
para subirem os namorados, a viúva, o cobrador da luz, a
          costureira
entre estes homens que ganham dinheiro, sangue frio, ou vícios,
          ou medalhas
e estes telefones roubando a lealdade dos olhos...

Teus cabelos cheirarão ainda a infância
e a vento, depois de passarem por esta fome pública,
estes olhos com regras de trânsito, estes dias sujos,
estes lábios que já não ensinam o pomar
ou a fonte, nem têm gosto de leite e de aurora,
depois destes olhos cheios da pergunta de estarem vivos
em vão?

Merecer honradamente este poema, todos os poemas,
como quem parte, entre os dedos a brancura
quente de um pão!

Vítor Matos e Sá, in 'Esparsos'

Tema(s): Amor  Ler outros poemas de Vítor Matos e Sá 
      Scoop.it

Garantia de Qualidade
O Citador é o maior site de citações, frases, textos e poemas genuínos e devidamente recenseados em língua portuguesa. Desde o ano 2000 que o Citador recolhe counteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros. Tem atenção aos Direitos de Autor.
Pesquisa
Citador em Inglês
© Copyright 2003-2014 Citador - Todos os direitos reservados | webdesign - One Small Step SOBRE O SITE
//