Mário Beirão

Portugal
1 Mai 1890 // 1965


Anjo

Quando a fitar-te ainda o sol declina
E a cor dos teus cabelos no Ar flutua,
A tua alma na minha se insinua,
Teu vulto é prece alando-se, divina!

A nossa voz, esparsa em luz, fascina;
A nossa voz... perdoa, Amor, a tua!
Ergues o olhar: crece em silêncio a lua,
Como uma flor, na tarde peregrina!

E a tua graça, etéreo Abril jucundo,
Bênção de Deus que tudo beija e alcança,
Sorri em flor na escuridão do Mundo...

A luz do Céu é o teu olhar sem fim;
E, no silêncio feito de esperança,
ouço o teu coração bater por mim!

Mário Beirão, in 'Antologia Poética'




Outros Poemas de Mário Beirão:

1. Teus Olhos
2. Aleluia
3. Amor
4. Enlevo
5. Ausência
6. Anjo

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE