Francisco Joaquim Bingre

Portugal
1763 // 1856
Poeta

Aquela que Cantei na Doce Lira

Aquela que cantei na doce lira,
Que já do Tempo estragos tem sentido,
Inda veio, com seu garbo fingido,
Tentar meu coração, que em paz respira.

Mas, qual duro rochedo que não vira,
Por mais que o bata o mar enfurecido,
Assim firme fiquei, no meu sentido,
Vendo o cepo enfeitado da Mentira.

Encarei-o com dor, mas sem transporte,
Pois de meus longos anos na carreira
Já do Tempo sofri, também, o corte.

Pensando na minha hora derradeira,
Eu vi só entre nós sentada a Morte,
E ao pé de uma caveira, outra caveira.

Francisco Joaquim Bingre, in 'Sonetos'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

A Fúria Mais Fatal e Mais Medonha

Das Fúrias infernais foi sempre a Inveja/ No mundo a mais fatal e a mais medonha,/ Pois faz dos bens dos outros a peçonha/ Com que a si mesma se envenena e peja./ / Com ira e com furor, raivosa, arqu...

Terra

Ó Terra, amável mãe da Natureza!/ Fecunda em produções de imensos entes,/ Criadora das próvidas sementes/ Que abastam toda a tua redondeza!/ / Teu amor sem igual, sem par fineza,/ Teus maternais efei...

Quanto é Melhor Calar, que Ser Ouvido

Silêncio divinal, eu te respeito!/ Tu, meu Numen serás, serás meu guia/ Se até 'qui, insensato, errei a via/ De Harpócrates, quebrando o são preceito,/ / Hoje à vista do mal que tenho feito,/ Em ser ...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE