Mais Populares
Neste corpo, a densa neblina, quase um hábito,/ lentamente descida, sedimento e sede,/ subtilmente o acalma. Ancora que se desloca,/ movediça e infirme. Só no olhar, além/ / da luz e da cal, se disti...
Todas as noites me sinto/ igual aos desconhecidos./ Sou a criança que sou,/ só quando o tempo pára./ / Fico em mim,/ fora dos músculos./ / Por que se movem os deuses/ quando o sol...
A solidão é perfeita como um rasgo entre/ as nuvens, ao último sonho. A solidão/ que se cala em teu fundo e vai envelhecendo/ na terra perdida do som descompassado./ / Te guardas na intimidade dos ar...

Poema
Orlando Neves Orlando Loureiro Neves Portugal
1935 // 2005 Escritor/Poeta/Dramaturgo/Tradutor
  
  
As Mãos Brandamente escrevem dos espasmos do sol.
Envelhecem do pulso ao cérebro, ao calor baço
de um revérbero no eixo dos ventos, usura
das máscaras que, sucessivamente, as transformam

de consciência em cal ou metal obscuro.
E já não é por si que a presença existe ou
subsiste o que separa. Destroem as sementes,
apodrecem como um sopro e não são remanso

na areia ou domadoras de chamas. Igualam-se
à água, para serem raiz do que se cala
e insinuam-se, para sempre, no pó da noite.

Um castelo de pele tomba. Deixam de ser
nomeadas ou nome. Escrevem, brandamente,
do termo da música o luto do silêncio.

Orlando Neves, in "Decomposição - o Corpo"

Tema(s): Mãos  Ler outros poemas de Orlando Loureiro Neves 
      Scoop.it

Garantia de Qualidade
O Citador é o maior site de citações, frases, textos e poemas genuínos e devidamente recenseados em língua portuguesa. Desde o ano 2000 que o Citador recolhe counteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros. Tem atenção aos Direitos de Autor.
Pesquisa
© Copyright 2003-2014 Citador - Todos os direitos reservados | webdesign - One Small Step SOBRE O SITE
//