Eugénio de Andrade

Portugal
19 Jan 1923 // 13 Jun 2005
Poeta

Até Amanhã

Sei agora como nasceu a alegria,
como nasce o vento entre barcos de papel,
como nasce a água ou o amor
quando a juventude não é uma lágrima.

É primeiro só um rumor de espuma
à roda do corpo que desperta,
sílaba espessa, beijo acumulado,
amanhecer de pássaros no sangue.

É subitamente um grito,
um grito apertado nos dentes,
galope de cavalos num horizonte
onde o mar é diurno e sem palavras.

Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou
para que tu as ames comigo:
a juventude, o vento e as areias.

Eugénio de Andrade, in "Até Amanhã"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Poema à Mãe

No mais fundo de ti,/ eu sei que traí, mãe/ / Tudo porque já não sou/ o retrato adormecido/ no fundo dos teus olhos./ / Tudo porque tu ignoras/ que há leitos onde o frio não se demora/ e noites rumor...

Adeus

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,/ e o que nos ficou não chega/ para afastar o frio de quatro paredes./ Gastámos tudo menos o silêncio./ Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,/ gastámos ...

Urgentemente

É urgente o amor/ É urgente um barco no mar/ / É urgente destruir certas palavras,/ ódio, solidão e crueldade,/ alguns lamentos, muitas espadas./ / É urgente inventar alegria,/ multiplicar os beijos,...
Inspirações

O Amor como Fim