Fernando Pessoa

Portugal
13 Jun 1888 // 30 Nov 1935
Poeta

Bate a Luz no Cimo...

Bate a luz no cimo
Da montanha, vê...
Sem querer eu cismo
Mas não sei em quê....

Não sei que perdi
Ou que não achei...
Vida que vivi,
Que mal eu a amei !...

Hoje quero tanto
Que o não posso ter,
De manhã há o pranto
E ao anoitecer...

Tomara eu ter jeito
Para ser feliz...
Como o mundo é estreito,
E o pouco que eu quis !

Vai morrendo a luz
No alto da montanha...
Como um rio a flux
A minha alma banha,

Mas não me acarinha,
Não me acalma nada...
Pobre criancinha
Perdida na estrada !...

Fernando Pessoa, in 'Cancioneiro'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Não Digas Nada!

Não digas nada!/ Nem mesmo a verdade/ Há tanta suavidade em nada se dizer/ E tudo se entender —/ Tudo metade/ De sentir e de ver.../ Não digas nada/ Deixa esquecer/ / Talvez que amanhã/ Em outra pais...

Liberdade

Ai que prazer/ Não cumprir um dever,/ Ter um livro para ler/ E não fazer!/ Ler é maçada,/ Estudar é nada./ Sol doira/ Sem literatura/ O rio corre, bem ou mal,/ Sem edição original./ E a brisa, essa,/...

Como Te Amo

Como te amo? Não sei de quantos modos vários/ Eu te adoro, mulher de olhos azuis e castos;/ Amo-te com o fervor dos meus sentidos gastos;/ Amo-te com o fervor dos meus preitos diários./ / É puro o me...
Facebook