Fernando Namora

Portugal
15 Abr 1919 // 31 Jan 1989
Escritor/Poeta/Médico

Clandestinidade

Secreto me acho
e secreto me sentes
quando
secreto me julgas,
Impuro me reconheço
quando
o nosso silêncio
são vozes turbas.
Dúbio é o desejo
quando
não é transparente
a água em que se deita
precavidamente.
Clandestinos somos
quando
o que somos
teme a face que pesquisa.
Os olhos são claros
quando
a superfície do espelho
é lisa.

Fernando Namora, in 'Marketing'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Balada de Sempre

Espero a tua vinda/ a tua vinda,/ em dia de lua cheia./ / Debruço-me sobre a noite/ a ver a lua a crescer, a crescer.../ / Espero o momento da chegada/ com os cansaços e os ardores de todas as chegad...

Um Segredo

Meu pai tinha sandálias de vento/ só agora o sei./ Tinha sandálias de vento/ e isto nem sequer é uma maneira de dizer/ andava por longe os olhos fugidos a expressão em/ ...

A Mais Bela Noite do Mundo

Hoje,/ será o fim!/ / Hoje/ nem este falso silêncio/ dos meus gestos malogrados/ debruçando-se/ sobre os meus ombros nus/ e esmagados!/ / Nem o luar, pano baço de cenário velho,/ escutando/ a minha p...
Inspirações

Dia Festivo

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE