Luis Filipe Castro Mendes

Portugal
n. 1950
Poeta/Ficcionista

Como o Coração

Tudo o que dizemos e fazemos
passa por esses momentos violentos do corpo,
onde os desejos vêm beber como os animais cansados
chegam aos grandes rios originários das nossas fundações.
Que memória consentir então aos corpos,
que lugar deserto às paixões, que curso
ao nosso descer o rio?

Tu não me respondes. Entramos no mais fundo
da pedra, no túmulo preterido, espólio
de um deus acossado, eu estrangeiro, eu esquecido.
Tu ocultas o coração, voltas-te de perfil
para as dunas, a pedra, pedra.
Não me respondes.

Como o coração, dizes.

Luis Filipe Castro Mendes, in "A Ilha dos Mortos"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Inspirações

Encher a Hora

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE