Tiago Nené

Portugal
n. 29 Mar 1982
Poeta/Tradutor

De tanto reentrar no mesmo vazio

De tanto reentrar no mesmo vazio
e conhecer o vento glacial que me absorve,
mantenho aceso o fogo que a consciência envelhece,
um consolo cruzado entre um fumo de dúvidas.
E esta travessia de séculos prevê uma imagem
quando a inutilidade da noite a alastra
às estrelas sobre o poema não escrito, onde um rosto
assinala em branco o regresso ao mundo.
Talvez me nomeie hoje um momento de euforia
por cada insinuação aos olhos da luz,
e quem sabe se esta superfície grossa
não carrega a ferida nocturna que me afasta
de tudo o que é fácil e perecível.

Tiago Nené, in 'Este Obscuro Objecto do Desejo'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE