Sophia de Mello Breyner Andresen

Portugal
6 Nov 1919 // 2 Jul 2004
Poeta

De um Amor Morto

De um amor morto fica
Um pesado tempo quotidiano
Onde os gestos se esbarram
Ao longo do ano

De um amor morto não fica
Nenhuma memória
O passado se rende
O presente o devora
E os navios do tempo
Agudos e lentos
O levam embora

Pois um amor morto não deixa
Em nós seu retrato
De infinita demora
É apenas um facto
Que a eternidade ignora

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Para Atravessar Contigo o Deserto do Mundo

Para atravessar contigo o deserto do mundo/ Para enfrentarmos juntos o terror da morte/ Para ver a verdade para perder o medo/ Ao lado dos teus passos caminhei/ / Por ti deixei meu reino meu segredo/...

Esta Gente

Esta gente cujo rosto/ Às vezes luminoso/ E outras vezes tosco/ / Ora me lembra escravos/ Ora me lembra reis/ / Faz renascer meu gosto/ De luta e de combate/ Contra o abutre e a cobra/ O porco e o mi...

Terror de Te Amar

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo/ / Mal de te amar neste lugar de imperfeição/ Onde tudo nos quebra e emudece/ Onde tudo nos mente e nos separa./ / Que nenhuma estrela queime o teu...