Almeida Garrett

Portugal
4 Fev 1799 // 9 Dez 1854
Escritor/Dramaturgo/Orador

Destino

Quem disse à estrela o caminho
Que ela há-de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta «Florece!»
E ao mudo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?

Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se à flor branca ou à vermelha
O seu mel há-de ir pedir?
Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem...
Ai!, não mo disse ninguém.

Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela,
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino .
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Não te Amo

Não te amo, quero-te: o amar vem d’alma./ E eu n’alma - tenho a calma,/ A calma - do jazigo./ Ai! não te amo, não./ / Não te amo, quero-te: o amor é vida./ E a vida - nem sent...

Este Inferno de Amar

Este inferno de amar - como eu amo! -/ Quem mo pôs aqui n'alma... quem foi?/ Esta chama que alenta e consome,/ Que é a vida - e que a vida destrói -/ Como é que se veio a atear,/ Quando - ai quando s...

Seus Olhos

Seus olhos - que eu sei pintar/ O que os meus olhos cegou –/ Não tinham luz de brilhar,/ Era chama de queimar;/ E o fogo que a ateou/ Vivaz, eterno, divino,/ Como facho do Destino./ / Divino, eterno!...
Inspirações

Dia Festivo