Octavio Paz

México
31 Mar 1914 // 19 Abr 1998
Escritor/Poeta/Diplomata [Nobel 1990]

Dia

De que céu caído,
oh insólito,
imóvel solitário na onda do tempo?
És a duração,
o tempo que amadurece
num instante enorme, diáfano:
flecha no ar,
branco embelezado
e espaço já sem memória de flecha.
Dia feito de tempo e de vazio:
desabitas-me, apagas
meu nome e o que sou,
enchendo-me de ti: luz, nada.

E flutuo, já sem mim, pura existência.

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"
Tradução de Luis Pignatelli
// Consultar versos e eventuais rimas




Outros Poemas de Octavio Paz:

Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE