Antero de Quental

Portugal
18 Abr 1842 // 11 Set 1891
Poeta/Filósofo/Político

Divina Comédia

Erguendo os braços para o céu distante
E apostrofando os deuses invisíveis,
Os homens clamam: — «Deuses impassíveis,
A quem serve o destino triunfante,

Porque é que nos criastes?! Incessante
Corre o tempo e só gera, inestinguíveis,
Dor, pecado, ilusão, lutas horríveis,
N'um turbilhão cruel e delirante...

Pois não era melhor na paz clemente
Do nada e do que ainda não existe,
Ter ficado a dormir eternamente?

Porque é que para a dor nos evocastes?»
Mas os deuses, com voz inda mais triste,
Dizem: — «Homens! por que é que nos criastes?»

Antero de Quental, in "Sonetos"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Só! — Ao Ermita Sósinho na Montanha

Só! — Ao ermita sósinho na montanha/ Visita-o Deus e dá-lhe confiança:/ No mar, o nauta, que o tufão balança,/ Espera um sopro amigo que o céo tenha.../ / Só! — Mas quem se assentou em riba estranha,...

Na Mão de Deus

Na mão de Deus, na sua mão direita,/ Descansou afinal meu coração./ Do palácio encantado da Ilusão/ Desci a passo e passo a escada estreita./ / Como as flores mortais, com que se enfeita/ A ignorânci...

Evolução

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo/ tronco ou ramo na incógnita floresta.../ Onda, espumei, quebrando-me na aresta/ Do granito, antiquíssimo inimigo.../ / Rugi, fera talvez, buscando abrigo/ N...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE