António Forte Salvado

Portugal
n. 20 Fev 1936
Poeta/Ensaísta

E o Amor...

E o amor é então todo o longínquo
ardor? O à espera eterno e a solidão
que nele nasce e dele vai até
mais não ser que o relembrar anterior?

Ah, mas se o amor fosse tudo em si...
A lágrima e o riso, o verbo e a carne,
se o amor sonhasse na claridade
e sem ela não fosse um maior sonho...

Aí vem a névoa, aí vem o sopro
da vida a levantar o dolorido
princípio sem fim do talvez, do quase...

E o amor é então todo o longínquo
ardor, o eterno à espera e a solidão
que nele nasce e morre, nasce e morre.

António Salvado, in "Recôndito"
// Consultar versos e eventuais rimas

Outros Poemas de António Forte Salvado:

Pesquisa

Facebook

É Noite, Mãe

As folhas já começam a cobrir/ o bosque, mãe, do teu outono puro.../ São tantas as palavras deste amor/ que presas os meus lábios retiveram/ pra colocar na tua face, mãe!.../ / Continuamente o bosque...

Amizade

Uma criança muito suja atira pedras a um cão. O cão / não foge. Esquiva-se e vem até junto da criança/ para lhe lamber o rosto./ / Há, depois, um abraço apertado, de compr...

A Eterna Ausência

Eu aguardei com lágrimas e o vento/ suavizando o meu instinto aberto/ no fumo do cigarro ou na alegria das aves/ o surgimento anónimo/ no grande cais da vida/ ...