Sá de Miranda

Portugal
28 Ago 1481 // 15 Mar 1558
Poeta

Em Tormentos Cruéis

Em tormentos cruéis, tal sofrimento,
em tão contínua dor, que nunca aliva,
chamar a morte sempre, e que ela, altiva,
se ria dos meus rogos, no tormento!

E ver no mal que todo entendimento
naturalmente foge, e quanto aviva
a dor mais o vagar da alma cativa,
a quem não fará crer que é tudo um vento?

Bem sei uns olhos, que têm toda a culpa,
e são os meus, que a toda parte vêm
após o que vêem sempre e os desculpa.

Ó minhas visões altas, meu só bem,
quem vos a vós não vê, esse me culpa,
e eu sou o só que as vejo, outrem ninguém!

Sá de Miranda, in 'Antologia Poética'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE