Armando Côrtes-Rodrigues

Portugal
28 Fev 1891 // 14 Out 1971
Escritor/Poeta/Dramaturgo/Cronista

Ergo Meus Olhos

Ergo meus olhos vagos, na distância
      Da sombra do meu Ser...
Pairam de mim além, e a minha Ânsia
      Cansa de me viver.

Meus olhos espectrais de comoção,
Olhos da alma, olhando-se a si,
Nimbam de luz a longa escuridão
      Da vida que vivi.

Auréola de Dor, que finaliza
Na noite do abismo do meu nada;
Silêncio, prece, comunhão sagrada,
Sombra de luz que em Ti me diviniza,
      Tortura do meu fim,
            Alma ungida
                  E perdida
Na grandeza de Si. E já sem ver-me,
Maceração crepuscular de Mim,
      Agonizo de Ser-me.

Armando Côrtes-Rodrigues, in 'Revista Orpheu'




Outros Poemas de Armando Côrtes-Rodrigues:

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE