José Carlos Ary dos Santos

Portugal
7 Dez 1937 // 18 Jan 1984
Poeta

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca tardando-lhe o beijo morria.
Quando à boca da noite surgiste na tarde qual rosa tardia
Quando nós nos olhámos, tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos, unidos, ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia.


       Meu amor, meu amor
       Minha estrela da tarde
       Que o luar te amanheça
       E o meu corpo te guarde.
       Meu amor, meu amor
       Eu não tenho a certeza
       Se tu és a alegria
       Ou se és a tristeza.
       Meu amor, meu amor
       Eu não tenho a certeza!

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram.
Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite se deram
E entre os braços da noite, de tanto se amarem, vivendo morreram.

       Meu amor, meu amor
       Minha estrela da tarde
       Que o luar te amanheça
       E o meu corpo te guarde.
       Meu amor, meu amor
       Eu não tenho a certeza
       Se tu és a alegria
       Ou se és a tristeza.
       Meu amor, meu amor
       Eu não tenho a certeza!

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso se é pranto
É por ti que adormeço e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto
Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!

Ary dos Santos, in 'As Palavras das Cantigas'




Facebook

Desespero

Não eram meus os olhos que te olharam/ Nem este corpo exausto que despi/ Nem os lábios sedentos que poisaram/ No mais secreto do que existe em ti./ / Não eram meus os dedos que tocaram/ Tua falsa bel...

Minha Mãe que não Tenho

Minha mãe que não tenho meu lençol/ de linho de carinho de distância/ água memória viva do retrato/ que às vezes mata a sede da infância./ / Ai água que não bebo em vez do fel/ que a pouc...

Retrato de Amigo

Por ti falo. E ninguém sabe. Mas eu digo/ meu irmão minha amêndoa meu amigo/ meu tropel de ternura minha casa/ meu jardim de carência minha asa./ / Por ti morro e ninguém pensa. Mas eu si...
Inspirações

Amar para Sempre

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE