Manuel Maria Barbosa du Bocage

Portugal
15 Set 1765 // 21 Dez 1805
Poeta

Eu Me Ausento de Ti, Meu Pátrio Sado

Eu me ausento de ti, meu pátrio Sado,
Mansa corrente deleitos, amena,
Em cuja praia o nome de Filena
Mil vezes tenho escrito, e mil beijado:

Nunca mais me verás entre o meu gado
Soprando a namorada e branda avena,
A cujo som descias mais serena,
Mais vagarosa para o mar salgado:

Devo enfim manejar por lei da sorte
Cajados não, mortíferos alfanges
Nos campos do colérico Mavorte;

E talvez entre impávidas falanges
Testemunhas farei da minha morte
Remotas margens, que humedece o Ganjes.

Bocage, in 'Rimas'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Nascemos para Amar

Nascemos para amar; a Humanidade/ Vai, tarde ou cedo, aos laços da ternura./ Tu és doce atractivo, ó Formosura,/ Que encanta, que seduz, que persuade./ / Enleia-se por gosto a liberdade;/ E depois qu...

O Leão e o Porco

O rei dos animais, o rugidor leão,/ Com o porco engraçou, não sei por que razão./ Quis empregá-lo bem para tirar-lhe a sorna/ (A quem torpe nasceu nenhum enfeite adorna):/ Deu-lhe alta dignidade, e r...

Morte, Juízo, Inferno e Paraíso

Em que estado, meu bem, por ti me vejo,/ Em que estado infeliz, penoso e duro!/ Delido o coração de um fogo impuro,/ Meus pesados grilhões adoro e beijo./ / Quando te logro mais, mais te desejo;/ Qua...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE