Florbela Espanca

Portugal
8 Dez 1894 // 8 Dez 1930
Poetisa

Filtro

Meu Amor, não é nada: - Sons marinhos
Numa concha vazia, choro errante...
Ah, olhos que não choram! Pobrezinhos...
Não há luz neste mundo que os levante!

Eu andarei por ti os maus caminhos
E as minhas mãos, abertas a diamante,
Hão de crucificar-se nos espinhos
Quando o meu peito for o teu mirante!

Para que corpos vis te não desejem,
Hei de dar-te o meu corpo, e a boca minha
Pra que bocas impuras te não beijem!

Como quem roça um lago que sonhou,
Minhas cansadas asas de andorinha
Hão-de prender-te todo num só vôo...

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE