António Botto

Portugal
17 Ago 1897 // 16 Mar 1959
Poeta

Foi n'uma Tarde de Julho

Foi n'uma tarde de Julho.
Conversávamos a mêdo,
- Receios de trahir
Um tristissimo segrêdo.

Sim, duvidávamos ambos:
Elle não sabia bem
Que o amava loucamente
Como nunca amei ninguem.
E eu não acreditava
Que era por mim que o seu olhar
De lagrimas se toldava...

Mas, a duvida perdeu-se;
Fallou alto o coração!
- E as nossas taças
Foram erguidas
Com infinita perturbação!

Os nossos braços
Formaram laços.

E, aos beijos, ébrios, tombámos;
- Cheios d'amôr e de vinho!

(Uma suplica soáva:)

«Agora... morre commigo,
Meu amôr, meu amôr... devagarinho!...»

António Botto, in 'Canções'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Inspirações

Amor Bobo

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE