José Régio

Portugal
17 Set 1901 // 22 Dez 1969
Escritor/Poeta

Ícaro

A minha Dor, vesti-a de brocado,
Fi-la cantar um choro em melopeia,
Ergui-lhe um trono de oiro imaculado,
Ajoelhei de mãos postas e adorei-a.

Por longo tempo, assim fiquei prostrado,
Moendo os joelhos sobre lodo e areia.
E as multidões desceram do povoado,
Que a minha dor cantava de sereia...

Depois, ruflaram alto asas de agoiro!
Um silêncio gelou em derredor...
E eu levantei a face, a tremer todo:

Jesus! ruíra em cinza o trono de oiro!
E, misérrima e nua, a minha Dor
Ajoelhara a meu lado sobre o lodo.

José Régio, in 'Poemas de Deus e do Diabo'
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Facebook

Cântico Negro

Vem por aqui - dizem-me alguns com os olhos doces/ Estendendo-me os braços, e seguros/ De que seria bom que eu os ouvisse/ Quando me dizem: vem por aqui! / Eu olho-os com olhos lassos,/ (Há, nos o...

Soneto de amor

Não me peças palavras, nem baladas,/ Nem expressões, nem alma... Abre-me o seio,/ Deixa cair as pálpebras pesadas,/ E entre os seios me apertes sem receio./ / Na tua boca sob a minha, ao meio,/ Nossa...

Sabedoria

Desde que tudo me cansa, / Comecei eu a viver. / Comecei a viver sem esperança... / E venha a morte quando / Deus quiser. / / Dantes, ou muito ou pouco, / Sempre esperara: / Às vezes, tanto, que o me...
Inspirações

Paixão Total