Murilo Mendes

Brasil
13 Mai 1901 // 13 Ago 1975
Poeta

Igreja Mulher

A igreja toda em curvas avança para mim,
Enlaçando-me com ternura - mas quer me asfixiar.
Com um braço me indica o seio e o paraíso,
Com outro braço me convoca para o inferno.
Ela segura o Livro, ordena e fala:
Suas palavras são chicotadas para mim, rebelde.
Minha preguiça é maior que toda a caridade.
Ela ameaça me vomitar de sua boca,
Respira incenso pelas narinas.
Sete gládios sete pecados mortais traspassam seu coração.
Arranca do coração os sete gládios
E me envolve cantando a queixa que vem do eterno,
Auxiliada pela voz do órgão, dos sinos e pelo coro
       [dos desconsolados.
Ela me insinua a história de algumas suas grandes filhas
Impuras antes de subirem para os altares.
Aponta-me a mãe de seu Criador, Musa das musas,
Acusando-me porque exaltei acima dela a mutável Berenice.

A igreja toda em curvas
Quer me incendiar com o fogo dos candelabros.
Não posso sair da igreja nem lutar com ela
Que um dia me absolverá
Na sua ternura totalitária e cruel.

Murilo Mendes, in 'Poesia Completa, Rio de Janeiro, 1994'




Outros Poemas de Murilo Mendes:

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE