Alfredo Brochado

Portugal
3 Fev 1897 // 16 Mai 1949
Poeta

Insónia

Noite calada, como num lamento,
A voz das coisas ponho-me a escutar,
E ela vai, vai subindo ao Firmamento,
Num murmúrio constante, a soluçar.

Noites de Outono, como chora o vento...
Noites sem brilho, noites sem luar.
Noites de Outono, sois o meu tormento,
Tombam as folhas, ponho-me a cismar.

Noite morta. Lá fora a ventania
Passa rezando estranha litania,
Como sinos dobrando ao entardecer.

Vento que choras, dolorido canto,
Unge meus olhos, deixa-mos em pranto,
Para melhor assim adormecer.

Alfredo Brochado, in "Bosque Sagrado"
// Consultar versos e eventuais rimas




Outros Poemas de Alfredo Brochado:

Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE