Luís Vaz de Camões

Portugal
1524 // 10 Jun 1580
Poeta

Jurando de não Mais em Outra Ver-me

Como quando do mar tempestuoso
O marinheiro todo trabalhado,
De um naufrágio cruel saindo a nado,
Só de ouvir falar nele está medroso;

Firme jura que o vê-lo bonançoso
Do seu lar o não tire sossegado;
Mas esquecido já do horror passado,
Dele a fiar se torna cobiçoso;

Assi, Senhora, eu que da tormenta
De vossa vista fujo, por salvar-me,
Jurando de não mais em outra ver-me;

Com a alma que de vós nunca se ausenta,
Me torno, por cobiça de ganhar-me,
Onde estive tão perto de perder-me.

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Amor é um Fogo que Arde sem se Ver

Amor é um fogo que arde sem se ver;/ É ferida que dói, e não se sente;/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer./ / É um não querer mais que bem querer;/ É um andar solitário ent...

Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,/ Muda-se o ser, muda-se a confiança:/ Todo o mundo é composto de mudança,/ Tomando sempre novas qualidades./ / Continuamente vemos novidades,/ Diferentes em ...

Alma Minha Gentil, que te Partiste

Alma minha gentil, que te partiste/ Tão cedo desta vida descontente,/ Repousa lá no Céu eternamente,/ E viva eu cá na terra sempre triste./ / Se lá no assento Etéreo, onde subiste,/ Memória desta vid...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE