A Gaia Ciência

por: Friedrich Wilhelm Nietzsche
Alemanha
15 Out 1844 // 25 Ago 1900
Filósofo

13 Poemas



O Solitário (1)

Detesto seguir alguém assim como detesto conduzir./ Obedecer? Não! E governar, nunca!/ Quem não se mete medo não consegue metê-lo a/ ninguém,/ E só aquele que o inspira pode comandar./ Já d...

Sabedoria do Mundo (2)

Não fiques em terreno plano./ Não subas muito alto./ O mais belo olhar sobre o mundo/ Está a meia encosta./ / Friedrich Nietzsche, in A Gaia Ciência ...

A Minha Felicidade (3)

Depois de estar cansado de procurar/ Aprendi a encontrar./ Depois de um vento me ter feito frente/ Navego com todos os ventos./ / Friedrich Nietzsche, in A Gaia Ciência ...

Declaração de Amor (4)

(e o poeta cai na armadilha)/ / Ó maravilha! Voará ainda?/ Sobe e as suas asas não se mexem?/ Quem é então que o leva e faz subir?/ Que fim tem ele, caminho ou rédea, agora?/ / Como a estrela e a ete...

Estas Almas Incertas (5)

Quero um mal de morte/ A estas almas incertas./ Tortura-as a honra que vos fazem,/ Pesam-lhes, dão-lhe vergonha os seus louvores./ Porque não vivo/ Preso à sua trela,/ Saúdam-me com um olhar agridoce...

Ecce Homo (6)

Sim, sei de onde venho!/ Insatisfeito com a labareda/ Ardo para me consumir./ Aquilo em que toco torna-se luz,/ Carvão aquilo que abandono:/ Sou certamente labareda./ / Friedrich Nietzsche, in A ...

As Minhas Rosas (7)

Sim! a minha ventura quer dar felicidade;/ Não é isso que deseja toda a ventura?/ Quereis colher as minhas rosas?/ Baixai-vos então, escondei-vos,/ Entre as rochas e os espinheiros,/ E chupai muitas ...

Ó Minha Felicidade (8)

Revejo os pombos de São Marcos:/ A praça está silenciosa; ali se repousa a manhã./ Indolentemente envio os meus cantos para o seio da suave/ ...

Consolação para os Principiantes (9)

Vede a criança, rodeada de porcos a grunhir,/ Desarmada, encolhendo os dedos dos pés./ Chora, não sabe fazer mais nada senão chorar./ Será alguma vez capaz de ficar de pé e de caminhar?/ Coragem! E d...

Moral Estelar (10)

Presdestinada à tua órbita,/ Que te importa, estrela, a noite?/ Rola, bem-aventurada, através do tempo!/ Que a sua miséria te permaneça estranha./ A tua luz está destinada ao mais distante dos mundos...

Contra as Leis (11)

A partir de hoje penduro ao pescoço/ Com uma corda de crina o relógio que marca as horas;/ A partir de hoje cessam o curso das estrelas/ E do sol, e o canto do galo e a sombra;/ E tudo aquilo que a h...

Vocação de Poeta (12)

Recentemente, ao repousar/ Sob essa folhagem/ Ouvi bater, tiquetaque,/ Suavemente, como em compasso./ Aborrecido, fiz uma careta,/ Depois, abandonando-me,/ Acabei, como um poeta,/ Por imitar o mesmo ...

A Piedosa Beppa (13)

Enquanto o meu corpo for belo/ É pecado ser piedosa,/ É sabido que Deus gosta das mulheres,/ E das bonitas sobretudo./ Ele perdoará, tenho a certeza,/ Facilmente ao pobre fradezinho/ Que tanto procur...


Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE