Raiz de Orvalho e Outros Poemas

por: Mia Couto
Moçambique
n. 5 Jul 1955
Escritor/Biólogo

15 Poemas



Para Ti (1)

Foi para ti/ que desfolhei a chuva/ para ti soltei o perfume da terra/ toquei no nada/ e para ti foi tudo/ / Para ti criei todas as palavras/ e todas me faltaram/ no minuto em que talhei/ o sabor do ...

Diz o Meu Nome (2)

Diz o meu nome/ pronuncia-o/ como se as sílabas te queimassem/ [os lábios / sopra-o com a suavidade/ de uma confidência/ para que o escuro apeteça/ para que se desat...

Pergunta-me (3)

Pergunta-me/ se ainda és o meu fogo/ se acendes ainda/ o minuto de cinza/ se despertas/ a ave magoada/ que se queda/ na árvore do meu sangue/ / Pergunta-me/ se o vento não traz nada/ se o vento tudo ...

Identidade (4)

Preciso ser um outro/ para ser eu mesmo/ / Sou grão de rocha/ Sou o vento que a desgasta/ / Sou pólen sem insecto/ / Sou areia sustentando/ o sexo das árvores/ / Existo onde me desconheço/ aguardando...

Amei-te sem Saberes (5)

No avesso das palavras/ na contrária face/ da minha solidão/ eu te amei/ e acariciei/ o teu imperceptível crescer/ como carne da lua/ nos nocturnos lábios entreabertos/ / E amei-te sem saberes/ amei-...

Solidão (6)

Aproximo-me da noite/ o silêncio abre os seus panos escuros/ e as coisas escorrem/ por óleo frio e espesso/ / Esta deveria ser a hora/ em que me recolheria/ como um poente/ no bater do teu peito/ mas...

Destino (7)

à ternura pouca/ me vou acostumando/ enquanto me adio/ servente de danos e enganos/ / vou perdendo morada/ na súbita lentidão/ de um destino/ que me vai sendo escasso/ / conheço a minha morte/ seu lu...

Horário do Fim (8)

morre-se nada/ quando chega a vez/ / é só um solavanco/ na estrada por onde já não vamos/ / morre-se tudo/ quando não é o justo momento/ / e não é nunca/ esse momento/ / Mia Couto, in Raiz de Orv...

Saudade (9)

Magoa-me a saudade / do sobressalto dos corpos/ ferindo-se de ternura / dói-me a distante lembrança / do teu vestido / caindo aos nossos pés/ / Magoa-me a saudade / do tempo em que te habitava / como...

Fui Sabendo de Mim (10)

Fui sabendo de mim/ por aquilo que perdia/ / pedaços que saíram de mim/ com o mistério de serem poucos/ e valerem só quando os perdia/ / fui ficando/ por umbrais/ aquém do passo/ que nunca ousei/ / e...

No Teu Rosto (11)

No teu rosto/ competem mil madrugadas/ / Nos teus lábios/ a raiz do sangue/ procura suas pétalas/ / A tua beleza/ é essa luta de sombras/ é o sobressalto da luz/ num tremor de água/ é a boca da paixã...

Nocturnamente (12)

Nocturnamente te construo/ para que sejas palavra do meu corpo/ / Peito que em mim respira/ olhar em que me despojo/ na rouquidão da tua carne/ me inicio/ me anuncio/ e me denuncio/ / Sabes agora par...

Beber Toda a Ternura (13)

Não ter morada/ habitar/ como um beijo/ entre os lábios/ fingir-se ausente/ e suspirar/ (o meu corpo/ não se reconhece na espera)/ percorrer com um só gesto/ o teu corpo/ e beber toda a ternura/ para...

Versos para a Patrícia (14)

1. Ilha/ / Tenho a sede das ilhas/ e esquece-me ser terra/ / Meu amor, aconchega-me/ meu amor, mareja-me/ / Depois, não/ me ensines a estrada./ / A intenção da água é o mar/ a intenção de mim és tu./...

Primeira Palavra (15)

Aproxima o teu coração/ e inclina o teu sangue/ para que eu recolha/ os teus inacessíveis frutos/ para que prove da tua água/ e repouse na tua fronte/ Debruça o teu rosto/ sobre a terra sem vestígio/...


Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE