João de Deus

Portugal
8 Mar 1830 // 11 Jan 1896
Poeta/Pedagogo

Mãe e Filho

Primícias do meu amor!
Meu filhinho do meu seio
Tenro fruto que à luz veio
Como à luz da aurora a flor!

Na tua face inocente,
De teu pai a face beijo,
E em teus olhos, filho, vejo
Como Deus é providente;

Via em lâmina dourada
O meu rosto todo o dia,
E a minha alma não havia
De a ver nunca retratada?

Quando o pai me unia à face
E em seus braços me apertava,
Pomba ou anjo nos faltava
Que ambos juntos abraçasse!

Felizmente Deus que o centro
Vê da Terra e vê do abismo,
Que bem sabe no que eu cismo,
Na minha alma um altar viu dentro:

Mas com lâmpada sem brilho,
Sem o deus a que era feito...
Bafeja-me um dia o peito,
E eis feito o meu gosto, filho!

Como em lágrimas se espalma
Dor íntima e se esvaece
De alma o resto quem pudesse
Vazar todo na tua alma!

Mas em ti minha alma habita!
Mas teu riso a vida furta...
Mas que importa! (morte curta!)
Se um teu beijo ressuscita!

João de Deus, in 'Campo de Flores'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Beijo

Beijo na face/ Pede-se e dá-se:/ Dá?/ Que custa um beijo?/ Não tenha pejo:/ Vá!/ / Um beijo é culpa,/ Que se desculpa:/ Dá?/ A borboleta/ Beija a violeta:/ ...

O Dinheiro

O dinheiro é tão bonito,/ Tão bonito, o maganão!/ Tem tanta graça, o maldito,/ Tem tanto chiste, o ladrão!/ O falar, fala de um modo.../ Todo ele, aquele todo.../ E elas acham-no tão guapo!/ Velhinha...

A Caridade

Eu podia falar todas as línguas/ Dos homens e dos anjos;/ Logo que não tivesse caridade,/ Já não passava de um metal que tine,/ De um sino vão que soa./ / Podia ter o dom ...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE