Fernando Namora

Portugal
15 Abr 1919 // 31 Jan 1989
Escritor/Poeta/Médico

Marketing

Aqui a meu lado o bom cidadão
escolheu Sagres
que é tudo tudo cerveja
a pausa que refresca
a longa pausa de um longo cigarro King Size.
                                        atenção ao marketing.
Eu não gosto de cerveja
mas tenho de gostar que os outros gostem de cerveja
sobretudo da Sagres
para não contrariar os fabricantes de cerveja.
                                        atenção ao marketing.
ninguém contraria os fabricantes da Opel e da Super
                                                   [Silver
nem os fabricantes de alcatifas para panaceias
nem as panaceias nem os códigos e os édredons macios
nem as mensagens de natal dos estadistas
nem os negociantes de armas da Suiça
nem o homem da capa negra que virou costas ao
                                             [Palmolive.

[...]
Sagres é uma boa cerveja
e eu acabarei por gostar da Sagres
como gosto do Rexina.
Sagres é a pausa que refresca e tem vitaminas
todas as bebidas da televisão têm vitaminas
mesmo as do programa literário que é detergente
e eu uso-as e sou um cidadão perfeito
e até já consigo adormecer sem hipnóticos
depois de tomar o Tofa descafeínado
e no Verão visto calções de banho de fibras sintéticas
para me banhar na Torralta
cidadão perfeito perfeitamente bronzeado com o Ambre
                                                [Solaire.

[...]
Preciso e gosto de uma data de coisas
e só agora o sei.
Menos da Sagres. Mas acabarei por gostar.
Ninguém contraria o marketing por muito tempo.
Ninguém contraria os fabricantes de bem fazer
o bom cidadão.
                                    E tudo graças ao marketing.

Fernando Namora, in 'Marketing'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Balada de Sempre

Espero a tua vinda/ a tua vinda,/ em dia de lua cheia./ / Debruço-me sobre a noite/ a ver a lua a crescer, a crescer.../ / Espero o momento da chegada/ com os cansaços e os ardores de todas as chegad...

Um Segredo

Meu pai tinha sandálias de vento/ só agora o sei./ Tinha sandálias de vento/ e isto nem sequer é uma maneira de dizer/ andava por longe os olhos fugidos a expressão em/ ...

A Mais Bela Noite do Mundo

Hoje,/ será o fim!/ / Hoje/ nem este falso silêncio/ dos meus gestos malogrados/ debruçando-se/ sobre os meus ombros nus/ e esmagados!/ / Nem o luar, pano baço de cenário velho,/ escutando/ a minha p...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE