António Nobre

Portugal
16 Ago 1867 // 18 Mar 1900
Poeta

Menino e Moço

Tombou da haste a flor da minha infancia alada,
Murchou na jarra de oiro o pudico jasmim:
Voou aos altos céus Sta Aguia, linda fada,
Que d'antes estendia as azas sobre mim.

Julguei que fosse eterna a luz d'essa alvorada,
E que era sempre dia, e nunca tinha fim
Essa vizão de luar que vivia encantada,
N'um castello de prata embutido a marfim!

Mas, hoje, as aguias de oiro, aguias da minha infancia,
Que me enchiam de lua o coração, outrora,
Partiram e no céu evolam-se, a distancia!

Debalde clamo e choro, erguendo aos céus meus ais:
Voltam na aza do vento os ais que a alma chora;
Ellas, porém, Senhor! ellas não voltam mais...

António Nobre, in 'Só'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

O Somno de João

O João dorme... (Ó Maria,/ Dize áquella cotovia/ Que falle mais devagar:/ Não vá o João, acordar...)/ / Tem só um palmo de altura/ E nem meio de largura:/ Para o amigo orangotango/ O João seria... um...

Vaidade, Tudo Vaidade!

Vaidade, meu amor, tudo vaidade!/ Ouve: quando eu, um dia, for alguem,/ Tuas amigas ter-te-ão amizade,/ (Se isso é amizade) mais do que, hoje, têm./ / Vaidade é o luxo, a gloria, a caridade,/ Tudo va...

À Luz da Lua!

Iamos sós pela floresta amiga,/ Onde em perfumes o luar se evola,/ Olhando os céus, modesta rapariga!/ Como as crianças ao sair da escola./ / Em teus olhos dormentes de fadiga,/ Meio cerrados como o ...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE