Luís Vaz de Camões

Portugal
1524 // 10 Jun 1580
Poeta

Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança:
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Amor é um Fogo que Arde sem se Ver

Amor é um fogo que arde sem se ver;/ É ferida que dói, e não se sente;/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer./ / É um não querer mais que bem querer;/ É um andar solitário ent...

Alma Minha Gentil, que te Partiste

Alma minha gentil, que te partiste/ Tão cedo desta vida descontente,/ Repousa lá no Céu eternamente,/ E viva eu cá na terra sempre triste./ / Se lá no assento Etéreo, onde subiste,/ Memória desta vid...

Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente

Erros meus, má Fortuna, Amor ardente/ Em minha perdição se conjuraram;/ Os erros e a Fortuna sobejaram,/ Que para mim bastava Amor somente./ / Tudo passei; mas tenho tão presente/ A grande dor das co...
Facebook